Por Hugo Costa | Segunda-feira, 03 Agosto , 2009, 13:06

 

No blog anti PS o Tiago Moreira Ramalho veio demonstrar toda a azia que existe na direita em relação aos temas de valores e costumes.
Ao contrário do insinuado não acho o aborto a melhor coisa do mundo. Mas não o condeno.
Acredito num país onde as mulheres que sejam obrigadas a fazer Interrupção Voluntária da Gravidez o façam em condições de saúde e não sejam presas por isso. A prisão estava na lei anteriormente vigente. Se Manuela Ferreira Leite e o Tiago Moreira Ramalho acreditam numa sociedade onde a escolha não seja opção e onde através de falsos moralismo se coloca as mulheres com dinheiro a interromper a gravidez em Espanha e as sem dinheiro nos vãos de escada, acreditam numa sociedade do passado. Eu não acredito nessa sociedade, assim como a maioria dos portugueses demonstrou não acreditar. Ou será que já não se lembram do resultado do referendo?
Ao Tiago Moreira Ramalho digo: Jamais morrerem mulher por aborto clandestino em Portugal.

Por Hugo Costa | Domingo, 02 Agosto , 2009, 02:00

 

 


Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
arquivos
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.