Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SIMplex

SIMplex

07
Set09

A cuidado de Ferreira Leite

João Galamba

Ferreira Leite acha que Portugal tem custos salariais elevados. Vejamos alguns dados:

 

1- Produtividade do trabalho em Portugal em 2005: 65,5% da média comunitária; 64,6% da Alemanha

 

2- Custo da mão-de-obra em Portugal em 2005: 49,6% da média comunitária; 41,6% da Alemanha

 

3- Os custos unitários do trabalho em Portugal são 75,72% da média da UE.

 

Perante estes dados será razoável dizer que Portual não é competitivo porque tem custos de trabalho elevados? A resposta e obviamente não. A razão da falta de produtividade justifica-se pelo padrão de especialização da economia portuguesa — que o PS tem tentado alterar. Para o PS, falta de competitividade significa falta de investimento, em pessoas e infra-estruturas. Para o PSD, falta de produtividade significa custos elevados...

 

Ferreira Leite só teria razão se pretender colocar Portugal a competir com países como a China, a India ou o Paquistão. Parece-me óbvio que Portugal tem custos do trabalho mais elevados do que este tipo de países. Só não me parece que Portugal possa ter grande futuro apostando nesse tipo de concorrência. Ferreira Leite aparentemente discorda e parece determinada a apostar numa economia em que a única vantagem competitiva sejam os salários baixos...

 

ps: importa recordar que há economistas próximos do PSD (Vítor Bento, Joao César das Neves) que defenderam mesmo uma redução dos salários como medida para aumentar a nossa competitividade...

07
Set09

Coisas a reter

João Galamba

Ferreira Leite acha que Portugal não é competitivo porque tem custos laborais elevados. "Logicamente", defende que a estratégia de crescimento económico passa por reduzir os custos laborais. Ficamos a saber o que Ferreira Leite entende por competitividade: custos de trabalho reduzidos.

 

Seguindo a lógica de Ferreira Leite, Portugal deve abandonar todos os projectos de investimento em infra-estruturas, deve desvalorizar a requalificação dos seus trabalhadores, deve suspender a apoio ao I&D e não deve fazer apostas sectoriais com elevado valor acrescentado. Portugal deve abandonar tudo isto porque a verdadeira razão da nossa falta de competitividade reside nos elevados custos do factor trabalho em Portugal. Revelador.

 

Se Manuel Pinho cometeu uma gaffe (uma gaffe, atenção) dizendo que Portugal tinha custos de trabalho reduzidos, Ferreira Leite vai mais longe: ainda não são suficientemente baixos mas o PSD compromete-se em baixá-los mais. Ou seja, a gaffe de Pinho nao foi ter dito ao chineses que os nossos salários eram baixos; a gaffe de Pinho foi ter mentido aos chineses. Só Ferreira Leite pode prometer o que Pinho sugeriu. A Verdade da gaffe de Pinho é a estratégia económica de Ferreira Leite.

 

Resumindo: Ferreira Leite não acha que temos de produzir diferente; basta produzir mais barato.