Por Eduardo Pitta | Quinta-feira, 24 Setembro , 2009, 16:53

Quando Manuela Moura Guedes foi afastada do Jornal Nacional, Pacheco Pereira protestou. Fez bem. O afastamento da apresentadora era um sinal claro de “asfixia democrática”, disse.

 

A semana passada, o Diário de Notícias divulgou os contornos de uma cabala política, com epicentro na Casa Civil do Presidente da República, visando desacreditar o governo. O assessor responsável (o silêncio do PR cauciona o raciocínio) foi demitido. Pacheco Pereira desafiou o Chefe de Estado a explicar-se antes das eleições. Fez bem. Afinal de contas, o silêncio autoriza as piores suposições. E contaminou a campanha eleitoral.

 

Não contente, Pacheco Pereira descobriu uma Operação Diário de Notícias. O DN é acusado de enfraquecer o Presidente da República e de violar todas as regras do jornalismo: «para obter um efeito político deliberado [o DN] cometeu vários crimes».

 

Não é extraordinário? E eu a pensar que Pacheco Pereira era um defensor acérrimo do tipo de jornalismo que justamente celebrizou Bob Woodward e Carl Bernstein. Enganei-me. Do lado de cá do Atlântico o escrutínio independente é crime. É pena.

 

 


Por Paulo Ferreira | Terça-feira, 22 Setembro , 2009, 11:59

"In one of the most difficult decisions of my Presidency, I accepted the resignations of two of my closest associates in the White House, Bob Haldeman, John Ehrlichman, two of the finest public servants it has been my privilege to know. Because Attorney General Kleindienst, though a distinguished public servant, my personal friend for 20 years, with no personal involvement whatever in this matter has been a close personal and professional associate of some of those who are involved in this case, he and I both felt that it was also necessary to name a new Attorney General. The Counsel to the President, John Dean, has also resigned." -  Richard Nixon

 


Por João Galamba | Segunda-feira, 21 Setembro , 2009, 20:34

Ricardo Costa diz que não percebe a razão da presidência não ter desmentido esta história em Agosto. Pois eu não percebo a dúvida de Ricardo Costa:  porque haveria a própria presidência de desmentir uma história que ela própria criou? Já agora, também não percebo como é que Ricardo Costa insiste em falar da seriedade e da credibilidade política de Cavaco Silva sem corar. Aliás, eu não percebo muita coisa e gostava mesmo que o presidente não se limitasse a criar um bode expiatório e desse, de uma vez por todas, explicações cabais sobre este caso. Mas isso sou eu que sou histérico e vejo crises onde só existem abalozinhos. É isto. não é?


Por Tiago Barbosa Ribeiro | Segunda-feira, 21 Setembro , 2009, 18:55

A demissão de Fernando Lima confirma a falsidade das suspeições alimentadas contra o PS, num espantoso conluio entre altas figuras do Estado e um jornal diário. As demissões, obviamente, não se vão ficar por aqui. Mas neste momento importa sobretudo analisar as consequências políticas destes dois meses de «escutas» ficcionadas, numa campanha criada e alimentada para atingir o PS. Uma campanha, vejam lá, absolutamente negra.

 

O PSD, que foi o partido que mais cavalgou nesta história, devia corar de vergonha sempre que ousar falar de «asfixia democrática». A principal asfixia democrática que vivemos está na forma como o principal partido da oposição é incapaz de fazer política de forma ética.

 

Simultaneamente, Cavaco Silva terá também de assumir as suas responsabilidades. Durante todo este tempo, deixou que se instalasse uma ideia pastosa que incluía escutas, serviços secretos e o partido do Governo. A forma como lidou com este caso foi absolutamente desastrosa e, claramente, atinge a credibilidade da Presidência da República.

 

A sua inacção foi um facto incontornável desta campanha eleitoral. Perante a demissão de um colaborador da sua confiança há mais de duas décadas, o silêncio de Cavaco acaba por tornar-se intolerável. Para quando uma declaração ao país ou uma acção perante o país?


Por Paulo Ferreira | Segunda-feira, 21 Setembro , 2009, 18:12

Se um bode expiatório parece resultar no caso BPN porque é que não haveria de resultar também no caso das falsas escutas, Cavaco Gate?!Tentar não custa, não é Sr. Presidente?

Há quem se esqueça,por exemplo, da "violência" contra "o bebé na incubadora" (como dizia Pedro Santana Lopes) e do famoso artigo sobre a Lei de Gresham no Expresso com que Cavaco assinou a "certidão de óbito" de Pedro Santana Lopes como primeiro-ministro.

Mas a verdade é que tantas vezes o cântaro vai à fonte.....que um dia destes se esCavaca todo!

 

sintonizado aqui também


Por Paulo Ferreira | Segunda-feira, 21 Setembro , 2009, 16:41

O Presidente da República afastou Fernando Lima do cargo de responsável pela assessoria para a Comunicação Social, que passará a ser desempenhado por José Carlos Vieira.

 

As falsas suspeitas de escutas lançadas por Fernando Lima via Público, por ordem de Cavaco Silva de acordo com o email de Luciano Alvarez e de acordo com comunicado do próprio jornal, deram um resultado: o despedimento do assessor.

 

Depois do SIS ter confirmado nada ter feito. Depois da "secreta" militar ter dito nada ter feito. Depois da PGR ter informado nada ter recebido do próprio presidente. Depois do próprio Público ter violado a correspondência electrónico dos seus jornalistas numa insana caça às bruxas. Depois de José Manuel Fernandes futuro-ex-director do Público e futuro assessor de Durão Barroso ter chamado mentiroso ao próprio Provedor dos Leitores do Público.

 

Posto isto, é pífio o resultado: Cavaco sacrifica um amigo e leal funcionário de longa data para tentar tapar aquilo que se tranformou num Cavaco Gate. Não chega.

 

É muito pequena a peneira deste bode expiatório para tapar tamanho sol desta VERDADE pestilenta...

 

 

publicado também aqui


Por Eduardo Pitta | Domingo, 20 Setembro , 2009, 13:25

As cartas de Valmont a madame de Merteuil, uma vez na posse da marquesa (cf. Les Liaisons Dangereuses, Choderlos de Laclos, 1782), eram propriedade dele ou dela?

 

Hoje não se escrevem cartas assim. Escrevem-se e-mails. Se eu escrevo a alguém e esse alguém publica o meu e-mail, de natureza privada, no seu (dele) blogue, como já aconteceu, está a fazer uso de propriedade sua. Um uso errado, mas isso é outra conversa.

 

Os mesmos que aplaudiram a publicação de um e-mail meu num blogue, estão agora agoniados com a divulgação pública do e-mail de um jornalista para um colega, não obstante o conteúdo do e-mail desse jornalista envolver questões de Estado. Ou seja, questões que dizem respeito à Res publica. Enfim, vou ler outra vez o Laclos.

 


Por Paulo Ferreira | Domingo, 20 Setembro , 2009, 12:40

 

 

 

 

 

Por Joaquim Vieira Provedor do leitor do Público



O caso das escutas de Belém suscita a mais preocupante das perguntas: terá este jornal uma agenda política oculta?

 

 

via Jugular


Por Eduardo Pitta | Sábado, 19 Setembro , 2009, 12:34

João Marcelino, Um silêncio suspeito (Parte II), hoje no Diário de Notícias.  Excertos:

 


«[...] A reacção de Cavaco Silva é preocupante para a democracia portuguesa.
[...]

 

Um PR não se pode prestar a estes papéis. Ou tem certezas e age, com coragem; ou não tem certezas, e averigua calado. Ora Cavaco Silva não apresentou nenhuma queixa na Procuradoria, não pediu esclarecimentos ao SIS, não demitiu o Governo. De forma irresponsável, permitiu mesmo que se acendesse a fogueira da dúvida.

 

Enquanto não negar responsabilidades pessoais no comportamento do seu colaborador de 20 anos, o PR é suspeito de acusar sem provas, de lançar a instabilidade no País.

 

Acresce um outro aspecto: depois de 27 de Setembro, data em que começará a “averiguar”, já estará eleito um outro primeiro-ministro, que pode ser o mesmo, legitimado pelo voto popular apesar das suspeitas presidenciais sobre ele. Esta não é uma questão de pormenor. Vai com certeza introduzir ainda mais instabilidade num quadro partidário que pode não vir a ter uma solução estável para quatro anos. [...]»

 


Por João Galamba | Sábado, 19 Setembro , 2009, 05:41

"Parabéns pelo texto. Em altura de campanha é preciso coragem para fazer uma análise tão distante.

No entanto, deixe-me expor as minhas perplexidades:

1. O Presidente mandou “plantar” uma notícia, há 17 meses atrás, dando conta de que tinha suspeitas que estava a ser vigiado, dando orientações (que estão expostas no mail) na forma de como a investigação devia prosseguir, como camuflar a fonte e, ainda, dando como fundamento das tais “suspeitas” o facto de um tipo ligado ao governo (e ao estatuto dos Açores)ter se sentado numa mesa que para o qual não tinha sido convidado (convém tb saber que o jornalista do Público, noutro mail, diz que investigou a história e que as tais suspeitas não tinham fundamento.


Por Tiago Barbosa Ribeiro | Sexta-feira, 18 Setembro , 2009, 18:21

A direcção editorial do Público emitiu um comunicado que só agrava as suspeitas em torno da notícia encomendada ao jornal, com o intuito de atingir politicamente o PS. Numa linguagem no mínimo opaca, fomentando novas suspeições (ponto 4) , e sem negar em momento algum a autenticidade do escandaloso e-mail reproduzido pelo DN que o director do Público ainda hoje de manhã disse ser forjado, percebe-se que o Público não tem qualquer explicação lógica a oferecer aos (e)leitores.

 

Ou seja, contrariamente ao fantasma esforçadamente agitado durante todo o dia de hoje pelo PSD relativamente a uma fantasiosa coligação PS-BE, a coligação que os portugueses devem temer não é essa e ultrapassa em muito qualquer deontologia jornalística e regulação democrática. Existe mesmo uma campanha subterrânea contra o PS.


Por Tiago Barbosa Ribeiro | Sexta-feira, 18 Setembro , 2009, 12:06

O que o DN hoje noticia, a confirmar-se, representa a maior crise institucional da democracia portuguesa. O conluio entre o principal assessor de Cavaco Silva e o jornal Público demonstra a espantosa virulência das várias campanhas sujas de que o PS tem sido alvo, numa escala nunca vista.

 

Asfixia democráticaNeste contexto, a proximidade de Belém com o actual PSD suscita as maiores suspeitas em relação ao desequilíbrio institucional que o DN confirma no círculo de confiança do PR, que claramente se orientou por servir a agenda de um partido. Quanto ao Público, previsivelmente, deixou a partir de hoje de ser um jornal de referência no panorama nacional enquanto se mantiver a actual direcção.

 

Enquanto o país aguarda uma acção do PR, e não uma mera declaração, fica a certeza de que só o reforço do PS pode impedir a tomada do poder por quem o disputa na cave da democracia.


Por Paulo Ferreira | Domingo, 13 Setembro , 2009, 17:24

...desde que Francisco Louçã acusou directamente o assessor do Presidente da República Fernando Lima de ter sido o autor da "denúncia" de escutas ou vigilância a funcionários de Cavaco Silva, na ausência de resposta ou desmentido poderemos assumir que quem cala consente?


Por Paulo Ferreira | Sexta-feira, 11 Setembro , 2009, 15:52

O tema do "suponhamos" das "sensações" de escutas foi demasiado debatido, comentado, analisado e "manipulado",nas televisões, jornais e blogosfera,  para que seja aceitável, depois da acusação directa, concreta e definida de Francisco Louçã, não existir qualquer resposta por parte do Presidente da República.

Não faz sentido, mesmo num contexto de guerra aberta Belém - São Bento e de interferência dissimulada da Presidência na campanha politica partidária, que não exista um desmentido formal desta acusação.A não ser que não a consigam desmentir mesmo...

 


Por Porfírio Silva | Terça-feira, 08 Setembro , 2009, 16:50

 

Está à espera de receber a tradução oficial para reagir?

 

 


Por Paulo Ferreira | Sábado, 05 Setembro , 2009, 03:32

Cavaco Silva disse ontem que "espera" que a liberdade de expressão não tenha sido posta em causa no caso do cancelamento do Jornal Nacional de Sexta apresentado por Manuela Moura Guedes.Concordo absolutamente.É raro. Normalmente discordo, quer das suas afirmações dúbias e passíveis de interpretação custom made, quer dos seus silêncios estratégicos em relação, por exemplo, ao Presidente do Governo Regional da Madeira.

 

Tendo em conta a gestão da relação custo/beneficio eleitoral para o PSD, Cavaco Silva esperou para ver como sopravam os ventos e onde caiam os estilhaços do "suponhamos" do seu funcionário em relação a uma suposta vigilância realizada aos assessores, que foi capa do Público, da brincadeira do "diz que não disse mas mandou alguém dizer" de Alexandre Relvas, da manhosa gestão do cancelamento do show de variedades de Manuela Moura Guedes e da patética carta anónima acerca do primo gordo de José Socrates.Sopraram mal os ventos para as flores de estufa do Palácio de Belém, veremos onde acabam os estilhaços...

 

O "suponhamos" do funcionário da Presidência foi de tal forma ridículo que se resumiu a "sensações", as mesmas irresponsavelmente assumidas pela pupila do Sr.. Silva.A estória da pseudo-pressão de há um ano atrás que agora o empresário/politico social democrata Alexandre Relvas tentou mandar para o ar através de um advogado morreu à nascença.A telenovela MMG teve mais um capitulo burlesco em que a influência do PS é comprovadamente nula (apenas tendo a perder com este desfecho!).A carta do primo gordo de JS deve ter sido feita à pressa e sem a assessoria de inspectores da Judiciária (ao contrário da carta anónima de Zeferino Boal resultante dos repastos da Aroeira) pelo que se revelou de eficácia nula.Posto isto, Cavaco Silva falou finalmente mas sem contextualizar devidamente a mensagem que pretendia passar.

 

Eu posso fazer de Pacheco Pereira por breves linhas e enquadrar melhor as palavras do Sr Presidente. O que Anibal Cavaco Silva quis dizer foi "que espera que a liberdade de expressão não tenha sido posta em causa no caso do cancelamento do Jornal Nacional de Sexta apresentado por Manuela Moura Guedes da mesma forma que foi aquando da mordaça que Manuela Ferreira Leite colocou a todos os professores quando era Ministra da Educação e quando Marques Mendes fazia os alinhamentos do Telejornal da RTP com José Eduardo Moniz".

 

Adenda - À luz das declarações de Miguel Pais do Amaral e Paulo Simão poderemos também facilmente concluir que o ambiente dentro da TVI ainda com José Eduardo Moniz e esposa ao volante não seria perfeitamente idilico.Seria por isso que MMG dizia que "era preciso serem muitos estúpidos", referindo-se à administração da Media Capital, para a retirarem do ar?E quando é que poderemos ver então "a tal peça" sobre o Freeport?Estou mesmo ansioso..

 

em estéreo aqui


Por Ana Vidigal | Terça-feira, 25 Agosto , 2009, 01:50

 

 


Por Palmira F. Silva | Segunda-feira, 24 Agosto , 2009, 14:31

O presidente de todos os portugueses, que nunca se engana mas que aparentemente teve muitas dúvidas sobre as capacidades das mulheres e sobre os motivos (fúteis) que as levam à decisão por uma IVG, voltou a ter dúvidas aquando da promulgação de um diploma que diz respeito à chamada «moral e bons costumes».

 

Desta vez,  querendo quiçá dar uma ajudinha nas escolhas eleitorais que se avizinham, Cavaco, em vez de apenas endereçar recados e recomendacões  descabidas acerca da aplicação de uma lei da nação, que por acaso até fora aprovada em referendo, resolveu rejeitar, sem pejos mas com muitos moralismos, o Decreto n.º 349/X, legislação francamente inócua como refere o Eduardo, que pretendia alterar a lei das Uniões de Facto.

 

Não sei se Cavaco pretende acabar com a pouca vergonha de a esmagadora maioria dos portugueses optar por se «amancebar» em vez de casar, mas os argumentos com que justifica a sua decisão de não promulgar o diploma, no mínimo tão ridículos como as recomendações moralistas no caso da lei do aborto, apontam nessa direcção. Ou seja, sob o pretexto de estar muito preocupado com os desejos dos que não optaram pelo casamento, o presidente parece considerar que só são dignos de protecção jurídica os casais que decidam (ou possam) viver em comum sob os auspícios de um papel passado no notário. Diria aliás que a chave da rejeição se encontra neste último parênteses...


Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
arquivos
pesquisar neste blog
 

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.