Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SIMplex

SIMplex

29
Ago09

(post-it 21) No Izvestia não há Pravda e no Pravda não há Izvestia

João Paulo Pedrosa

No programa do PSD o grande suporte das propostas de redução da receita fiscal é o despedimento de 200 mil funcionários públicos. Dito por outras palavras, acabar com os serviços públicos de saúde, educação e prestações sociais e substitui-los por agentes privados e outsourcing.

No programa do PSD omite-se também que ao prescindir do investimento público o desemprego em vez de diminuir, aumenta.
No programa do PSD não há, portanto, verdade nem novidade.
Aqui não há entusiasmo, aqui regista-se a ocorrência e Manuela Ferreira Leite só quis os debates propostos por Louçã, Portas e Jerónimo.
Política de Verdade, lembrem-se! 
26
Ago09

(post-it 20) Le bons esprits se rencontrent

João Paulo Pedrosa

O investimento público é, generalizadamente reconhecido pelos especialistas internacionais, um instrumento decisivo de recuperação da crise económica. A excepção a este entendimento é Manuela Ferreira Leite que o considera apenas uma despesa, chamando-lhe, com desprezo, simples despesa de capital. A verdade é que sem investimento público, o desemprego aumentaria ainda mais e a economia afundar-se-ia irremediavelmente.

O TGV, por exemplo, é uma obra financiada em muitos milhões de Euros pela União Europeia e é uma grande oportunidade de negócio para muitas empresas portuguesas, aumentando, em consequência, o número dos postos de trabalho e a riqueza nacional.
Para que a abordagem destes assuntos não fique confinada a discussões etéreas, cito três empresas portuguesas que empregam milhares de trabalhadores – esta, esta e esta, por exemplo – que cresceram na oportunidade dos investimentos públicos, internacionalizando-se e para quem este investimento na ferrovia é uma grande oportunidade para voltarem a crescer e a fortalecer-se ainda mais.
Não se percebe, pois, como pretende Manuela Ferreira Leite fazer diminuir o desemprego se nega às empresas a possibilidade de valorizarem e aumentarem os seus negócios.
A menos que a líder do PSD se tenha rendido aos encantos de Francisco Louçã e pretenda criar empregos por decreto.
 
24
Ago09

(post-it 19) O insuspeito

João Paulo Pedrosa

"Já tive a minha dose de problemas com "fontes de Belém". Denunciei-as por estarem a colocar sob anonimato notícias nos jornais que depois não confirmavam oficialmente, criando embaraços aos editores mais crédulos. O chefe da Casa Civil, Nunes Liberato, brindou-me com uma queixa aos meus empregadores. É distinção que me honra e faz curriculum. Fiquei agora a saber que "as fontes de Belém" estão não só secas de confirmações, mas estão a secar a dignidade informativa à sua volta." [Mário Crespo, JN]

24
Ago09

(post-it 18) A face

João Paulo Pedrosa
13
Ago09

(post-it 16) Eles revelam-se

João Paulo Pedrosa

Helena Pinto do BE, a propósito das propostas de investimento público e das políticas económicas e sociais de José Sócrates, e do PS, veio acusá-lo de falta de legitimidade. Militantes do BE, de Vizela, denunciam os dirigentes nacionais de combinarem uma coisa com eles e, passado duas horas, lhe terem espetado uma faca nas costas, "impingindo-lhes" outro candidato.´Pedro Soares responsável, presume-se, pelo centralismo democrático da agremiação, vem dizer que o BE não é um partido igual aos outros.

Vinda de quem vem (no BE não se é especialmente conhecido por fidelidade às liberdades) esta superioridade e esta arrogância política, moral e intelectual não só é já totalmente insuportável, como começou a fazer escola. E que escola, diga-se.

Criaram-se todos na crença do despotismo do comunismo real, de Estaline, de Henver Hoxa, de Mao, de Pol Pot, de Ho Chi Minh, de Kim Il Sung, dos Sandinistas, do MPLA, de Fidel Castro, da ETA, das FARC, das Brigadas Vermelhas, do Baden Meinhof e de Álvaro Cunhal, ideias e práticas que foram responsáveis pelos maiores (dos maiores) danos causados à humanidade, sem que alguém lhes vislumbrasse arrependimento ou comiseração pela difusão desses ideais e dessas práticas erradas. As palavras melífluas de Louçã começam a não chegar...
 

11
Ago09

(post-it 14)Louçã, uma relação difícil com a verdade

João Paulo Pedrosa
Blogger: Como é que se processa o recrutamento político no BE?
Louçã: (começando por alfinetar Sócrates e os estatutos do PS) no BE não há quota do Secretário-Geral, são as distritais que escolhem.
Cinquenta e quatro membros das listas do BE no distrito de Braga resignaram, em abaixo-assinado, acusando a direcção do BE de "impingir" candidatos.
Correio da Manhã de hoje, terça-feira, dia 11 de Agosto