Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SIMplex

SIMplex

09
Ago09

Amiguismo e Sectarismo

Leonel Moura

O PSD, muito aflito com o desastre das listas, mandou Paulo Rangel desviar as atenções para um assunto claramente menor relacionado com o Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida. Menor, porque de um lado temos deputados que fazem as leis do país e, do outro, um organismo consultivo, por muito importantes que possam ser os seus pareceres. Para mais Portugal tem muita gente competente para integrar este Conselho e não se esgota numa única pessoa.

Mas esta operação de típica agitação mediática não chega para esconder a realidade. A questão das listas tem certamente a ver com nomes, mas tem ainda mais a ver com a credibilidade da própria Manuela Ferreira Leite. Sem ideias tem apresentado como único argumento político que é uma mulher muito séria. Ora, a configuração das listas demonstra precisamente o contrário. Meteu os amigos, mesmo alguns com graves problemas com a justiça, e eliminou os adversários mostrando sectarismo e nenhuma abertura à opinião diversa. Amiguismo e sectarismo não são atributos adequados para quem pretende ser primeiro-ministro.

26
Jul09

Museu da Viagem?

Leonel Moura

Imagino que o Ministro da Cultura se refira à navegação na Internet, porque da tecla dos grandes feitos do antigamente que não consegue passar dos Descobrimentos, estamos todos fartos. Portugal já está noutra.

E depois basta de tanto Museu que só serve para aumentar o funcionalismo, gastar dinheiro praticamente sem retorno e reforçar uma cultura da contemplação passiva. O país precisa sim de centros de criatividade, locais para os jovens se encontrarem, cooperarem e produzirem novas coisas. O Pavilhão de Portugal devia transformar-se num centro de experimentação artística, um laboratório de práticas avançadas, um lugar de encontro das artes e das ciências.

Esse sim seria um projecto mobilizador.

 

26
Jul09

O grande conundrum

Leonel Moura

O resultado das próximas eleições será decidido em grande medida pela capacidade em demonstrar que só com o PS de José Sócrates o país pode continuar a evoluir e modernizar-se. E, se refiro o PS de José Sócrates é, desde logo, porque há muitos PS's dentro do PS – e nem todos me merecem apreço – mas porque os últimos anos mostraram que nunca Portugal teve um governo tão contemporâneo de si mesmo. As voltas do acaso e da história levaram ao poder uma parte considerável dos melhores e mais bem preparados do nosso tempo.

Nunca o sobressalto tecnológico foi tão intenso; nunca a ciência – na sua organização, meios, práticas e capacidade de intervenção nacional e internacional –, teve um avanço tão marcante como neste governo; nunca antes muitas medidas, da educação à saúde, ambiente ou economia foram tão ousadas e produtivas. Hoje Portugal é uma referência mundial na ciência e na tecnologia. Hoje Portugal, pequeno país periférico, é capaz de gerar programas que servem de modelo para o resto do mundo.