Por Hugo Mendes | Quarta-feira, 22 Julho , 2009, 11:04

 Talvez o segredo mais bem guardado de uma eficaz política democrática seja a capacidade de fazer ou segurar alianças entre classes. A esquerda para-revolucionária desdenha a ideia de aliança transclassista porque saliva com a “luta de classes” dos bons contra os maus; a direita diz que as “classes” fazem parte do universo ficcional da sociologia de pacotilha. A esquerda democrática sabe, porém, que precisa da cooperação organizada e da mobilização colectiva dos “grandes números”.
Não serve, claro, qualquer aliança; por exemplo, a aliança entre as classes médias e as elites contra o Estado social, assente na exploração do ressentimento dos que de menos recursos dispõem e na protecção assimétrica dos benefícios dos mais ricos. A esquerda democrática necessita antes de uma aliança sólida entre as classes trabalhadoras e a classes médias, e para tal, precisa de lhes fazer crer que pertencem à mesma sociedade. É para isso que servem – entre outras coisas - serviços públicos tendencialmente universais que sejam capazes de responder às necessidades dos cidadãos-clientes com qualidade e universalismo. Precisa também de garantir às classes médias alguma estabilidade e segurança para evitar que, uma vez atacadas pelo medo de entrarem em trajectórias descendentes, se sintam ameaçadas pela concorrência dos mais pobres, e façam a tal aliança com as elites contra o Estado social. E precisa ainda garantir, para além de níveis de bem-estar objectivo decentes para os mais pobres, oportunidades relativamente constantes para que possam ter um emprego melhor, para adquirir uma casa, para “subir na vida” e “juntar-se às classes médias”. A única força política capaz de pensar e concretizar esta aliança de bem-estar que responda às preocupações e expectativas da grande maioria da sociedade é o Partido Socialista.


Falar de “alianças de classe” significa, claro, falar sempre em sentido figurado. Mas pode haver alianças – concretizadas em acordos explícitos - entre os representantes de interesses colectivos, mobilizando os respectivos grupos para projectos comuns que tragam vantagens a todos, e não sejam jogos de soma nula. Esta capacidade colectiva para cooperar, para fazer compromissos e para os cumprir, para congregar grupos e movimentos amplos em torno de projectos colectivos é um recurso muito mais precioso e escasso do que possamos imaginar – aquilo que hoje chamamos “capital social”.
Ora: pensar estrategicamente; institucionalizar e usar eficazmente a concertação social; saber quando o Estado deve “fazer”, quando deve “regular”, e quando deve “incentivar”; mobilizar diferentes parceiros para concretizar políticas públicas de acordo com os princípios de uma estratégia de esquerda assente no eixo inovação–protecção (no qual parte dos ganhos que resultam do que mais de inovador se faz no país reverte para os mais vulneráveis e que mais atenção e investimento necessitam) - em Portugal, este projecto tem só tem verdadeiramente uma força política capaz de o defender e concretizar: o Partido Socialista.
Entregar a governação do país ao PSD não apenas seria negativo em si; implicaria sobretudo introduzir um corte no trabalho iniciado em 2005 sob a liderança de José Sócrates (e que em várias áreas prolonga parte do iniciado em 1995). Uma vez que a “política da varinha mágica” não existe – ainda que ouvindo boa parte da oposição temo que ainda exista quem nela acredite, a par, por exemplo, do Pai Natal -, as políticas precisam de continuidade para amadurecer e produzir resultados sólidos e sustentáveis. Votar no Partido Socialista é a garantia de que esse caminho não sofrerá um desvio – mais um – que o país pode pagar muito caro.
 

Sir do Vasco a 22 de Julho de 2009 às 12:22
Pois! Pois!
A canção é bonita, mas não dá para dançar!
Cantas bem, mas não me alegras!
Não há nehnhum partido que ponha isto no sitio. enquanto não houver uma politica de mentalização das pessoas que é preciso trabalhar em primeiro lugar. Só depois virão os louros.
Enquanto houver esta politica de distribuição de subsídios a quem não trabalha, não se vai a lado nenhum.

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
88 comentários
50 comentários
44 comentários
43 comentários
38 comentários
36 comentários
27 comentários
25 comentários
arquivos
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.