Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

SIMplex

SIMplex

22
Jul09

A verdade do silêncio

Luis Novaes Tito

LaranjadaA técnica de nada dizer já fez escola. Se nas Europeias tanto fez, nas Legislativas a coisa fia mais fino e tem a espessura de uma folha de papel para que passe pelos pingos da chuva sem se molhar. O rasganço das Leis faz-se em silêncio para que, se houver oportunidade, os retrocessos possam ser carta jogada sem discussão, até porque discutir é custoso a quem gosta de impor. A sala dos tabus do Pátio dos Bichos é um armazém de soluções empoeiradas à espera que no cadeirão de São Bento se sente uma porta-voz. No fundo, o que se deseja, é um upgrade da hierarquia de tempos idos. Silêncio para não se saber o que é o casamento, não se perceberem as intenções da interrupção voluntária da democracia, não se comunicarem os congelamentos do pré e, com a verdade me enganas, voltar tudo à lei da rolha.

Silêncio para, se a coisa lhe for favorável, agitar de novo a tanga. Na Buenos Aires há maus augúrios que importa não revelar, para surpreender. Nada que no exercício do poder anteriormente ensaiado não se tivesse já feito.

3 comentários

Comentar post