Por Palmira F. Silva | Segunda-feira, 03 Agosto , 2009, 18:42

No dia em que o Diário Económico desvenda alguns detalhes sobre o LEAF, o carro eléctrico da Nissan que rodará em breve com baterias made in Portugal, numa notícia aparentemente não relacionada dá-nos igualmente conta de um aviso da Agência Internacional de Energia. De acordo com o economista-chefe da AIE,  uma «catastrófica» crise energética pende sobre a retoma da economia mundial devido ao facto de estarmos a atingir o peak oil, isto é, a capacidade máxima de produção de petróleo.

 

A relação que encontro entre ambas as notícias é explicada por um artigo de Paul Ames no Global Post, reproduzido pela Reuters,  intitulado «Has Portugal solved the electric car problem?» O artigo, que refere o grande investimento do governo Sócrates em energias alternativas, descreve igualmente o plano arrojado que pretende evitar que estes carros eléctricos sofram  o destino dos seus antecessores, descrito num documentário de 2006 - que conta a história da «morte» dos carros eléctricos nos Estados Unidos,  nomeadamente do General Motors EV1  (ou do Ford Ranger EV, ou do Honda EV Plus e do Toyota RAV4 EV). E o que matou o carro eléctrico foi a inexistência de uma rede de abastecimento de base eléctrica.

 

Assim, Portugal será o tubo de ensaio de uma experiência que o alerta da AIE sugere não poder ser adiada e que será um passo indispensável à ruptura em relação ao actual paradigma energético, completamente dependente do petróleo (o que por seu lado implica uma dependência dos países produtores de petróleo). Esta dependência tem como consequências, para além das questões ambientais, aquelas de que há um ano sentimos os efeitos, nomeadamente a instabilidade política e a crise económica que se seguiram ao aumento do preço do petróleo e ao efeito cascata que despoletou: aumento dos preços, da inflação e das taxas de juro, que por sua vez levaram a uma diminuição do consumo por parte dos particulares e do investimento por parte das empresas, para além de terem reduzido a factura energética cobrada pelo estado.

 

Este «abanão» corroborou o que muitos aprenderam com aqueloutro suscitado pelo primeiro choque petrolífero de 1973/74 e que foi de certa forma traduzido para o público em geral como a necessidade de um desenvolvimento sustentável, o tal «development that meets the needs of the present without compromising the ability of future generations to meet their own needs» que apontava em 1987 o Brundtland Report

 

O 2º choque petrolífero mostrou a enorme vulnerabilidade da economia portuguesa face ao petróleo e a urgência na alteração de paradigma energético cá do burgo, que mais que preocupações ambientais terá como objectivo a redução dos custos médios da produção de energia directamente consumida pelos sectores produtivos da economia. Assim, é necessária uma visão energética de longo prazo que tem necessariamente a ver com o desenvolvimento e investimento numa panóplia de fontes de energia realmente alternativas face às previsões de consumo, como tem sido feito nos últimos 4 anos com a energia hídrica, fotovoltaica e eólica,

 

O que o João dizia hoje nas páginas do mesmo Diário Económico que nos brindou com este aviso, assume assim contornos catastróficos quando pensamos em políticas energéticas. Isto é, parar, adiar ou rasgar o que está planeado ou em execução nesta área é receita certa para o desastre e um luxo a que o país não se pode dar, a penas de se afundar num buraco estrutural de onde será muito complicado sair...


henrique pereira dos santos a 3 de Agosto de 2009 às 19:06
Se a motivação da opção pelas renováveis fosse ambiental e de independência energética o Governo teria começado pela eficiência energética e pela água quente solar.
Do ponto de vista estritamente ambiental não é líquido o balanço final entre ter muitos ou poucos carros eléctricos: se do ponto de vista local é inegável que os carros eléctricos diminuem as emissões e o ruído, do ponto de vista global o seu efeito ambiental positivo precisaria de ter resolvidas as questões das baterias e da produção eléctrica. Nenhuma delas está resolvida e existem muitas dúvidas sobre isso.
Já quanto à racionalidade económica a coisa é ainda mais duvidosa, já que as baterias, pelo menos as que se conhecem, precisarão de ser substituídas de cinco em cinco anos (mais coisa, menos coisa), sendo que custam tanto ou mais que um carro normal.
Ou seja, é possível, mas não se sabe se plausível, que um dia os carros eléctricos tenham os problemas básicos que os tornam incomportáveis para os clientes mais ricos mas é duvidoso que no horizonte esteja uma verdadeira massificação (repare nos números dos textos que cita).
Empenhar o dinheiro dos impostos (que é também o dinheiro dos pobres) numa roleta cheia de riscos para apoiar a compra de bens pelas pessoas mais abonadas é para mim uma coisa estranha e ainda mais estranho que seja um governo de Esquerda a promover isto.
Correr este tipo de riscos para satisfazer mercados diferenciados parece-me a mim ser claramente a função das empresas, não do Estado.
Se o que se pretende é mesmo o desempenho ambiental e o empenho do Estado para resolver o que o mercado não resolve nessa matéria, tenho pelo menos dez opções mais interessantes e menos arriscadas, começando pelas da eficiência energética, da água quente solar (que não é só para banhos, inclui aquecimento e lavagens em electrodomésticos) e ainda a racionalidade no uso dos transportes. Os mesmos milhões de incentivo ao carro eléctrico usados em transportes públicos não só eram incomparavelmente mais eficientes do ponto de vista ambiental como eram muitíssimo mais justos socialmente.
Confesso que me faz confusão como se alinha no chavão das energias renováveis e coisas que tal como se dentro desse conceito não estivessem coisas muito diferentes, umas boas soluções (alguma hídrica), outras soluções razoáveis e com custos aceitáveis (boa parte da eólica), outras que merecem apoio em ID (a fotovoltaica) e outras disparates completos como as centrais de biomassa tal como foram vendidas (mas não construídas) a propósito dos fogos.
henrique pereira dos santos

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
88 comentários
50 comentários
44 comentários
43 comentários
38 comentários
36 comentários
27 comentários
25 comentários
arquivos
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.