Por Tomás Vasques | Domingo, 02 Agosto , 2009, 16:51

 Francisco Louçã é o BE. No processo de construção e consolidação do «partido» do «socialismo do Século XXI», o grupo trotskista de Louçã – o PSR – meteu no bolso os maoistas de Fazenda e os ex-comunistas de Portas. O que é natural, já que os outros atravessavam uma «crise de identidade» ideológica e política, enquanto Louçã se mantinha fiel, como sempre, ao seu «mestre» e à Internacional trotskista. Fazenda e o seu grupo, sem Mao Tsé Tung e Henver Hodja, perderam o rumo «revolucionário»; Miguel Portas, sem a disciplina férrea do PCP, entrou em «transição». O que aqui releva é o gato escondido com Louçã de fora. Muitos dos eleitores do BE, armados do «romantismo de esquerda» não param para pensar no que é essencial: que tipo de sociedade é que o BE deseja construir. Louçã, ao longo destes últimos 40 anos, e sobretudo nos últimos 10 anos, em declarações e entrevistas, já disse tudo o que tinha a dizer: nacionalizar os sectores estratégicos da economia, a começar pelo sistema financeiro e, assim, fazer depender do Estado toda a Economia; acabar com os ricos e com o lucro das empresas privadas; «aprofundar» a democracia participativa, o que interpretado à moda de Moscovo, dos anos 20, de Havana, nos anos 60, ou em Caracas nos dias que correm, significa os «comités de bairros» a perseguirem todos os que se opõem ao «regime», enquanto as instituições democraticamente eleitas, como o Parlamento, vão definhando no processo. O «socialismo do século XXI» é uma mera adaptação à «realidade concreta» de um processo de soviétização da sociedade portuguesa. Não há meio-termo, por muito que almas bem intencionadas se esforcem. O argumento de que o BE é uma facção do «socialismo de esquerda» e é parte da «esquerda democrática» é areia nos olhos. Mas, o pior, é que, quem hoje contribui para o crescimento eleitoral do BE, amanhã – se os amanhãs pudessem cantar – seriam os primeiros a amaldiçoar a sua sorte, como aconteceu em Havana e hoje está a acontecer em Caracas.  

tags:

Paulo Garrido a 2 de Agosto de 2009 às 17:17
Meu caro Tomás Vasques, haja alguém que escreva estas verdades. Porra ! Sabe, tenho falado com algumas pessoas ex-simpatizantes do PS e até mais à direita do PSD, que, imagine-se, sentem-se próximos do que diz Louça. Todos, sem excepção , sentem-se representados pelo lobo travestido em pele de cordeiro Louçã. Bom, não perco uma oportunidade para evidenciar o programa escondido deste senhor, o muito conhecido "os fins justificam os meios". A pergunta é simples e deveria ser feita ao Louçã directamente: afinal, defende a democracia representativa ou a directa? É simples, mas não há um único jornalista ou politico que a faça, e eu pergunto: porquê? Porquê que no seu meio, entre os seus, fazem projectos de transformação do país para modelos que o mundo já recusou, e, publicamente, é a conversa de apanhar moscas com mel. E não existe desgraçado nenhum , com voz, que ponha fim à pouca vergonha de termos um partido de reducionistas a atingir percentagens de dois dígitos nas intenções de voto? Juro que à luz disto, a proposta do Alberto João não é assim tão tola. Uma coisa é aturar o soba da Madeira em Democracia, no final, o povo é sempre soberano e pode correr com ele. Agora, estes tipos que nos querem fazer o que outros fizeram e estão a fazer no que tange à simples liberdade de circulação, de pensamento e de iniciativa, Não! Mil vezes Não! Vejam o caso da Joana A. Dias. Vejam como funciona a cabeça de um ditador de meia-tigela. Vejam e pensem. Pensem muito bem.

António da Costa a 2 de Agosto de 2009 às 18:29
Pessoas como Paulo Garrido são perigosas, Paulo Garrido quer por fim de forma não democrática a Louçã só pelo facto de ele ser, no seu entender, um perigoso Comunista, Há 35 anos era assim, no entanto já admite ser contemplativo para com Jardim um dos mais perigosos antidemocratas que existe em Portugal, será que é por ele ser anticomunista?.

Cuidado, existe gente perigosa e começam a mostrar os "dentes".

Paulo Garrido a 2 de Agosto de 2009 às 19:17
Caro António, o problema é que do jardim toda a gente sabe o que defende e como defende, já o Louçã, nem o senhor o ouviu dizer nos últimos 10 anos e em publico as judiarias que estaria disposto a fazer em nome da sua desejada ordenação social. E isso tem nome: Omissão e Mentira! Ora, político que mente e omite, não merece confiança. Revelar isso, é a única forma de combater esse mentiroso. Agora, na sua ânsia de defender este logro, feito anãozinho mental, façanhudo e pateta, SFF, não deturpe o que escrevi. Agradecido.

António da Costa a 2 de Agosto de 2009 às 20:30
Paulo

Não retiro uma palavra aquilo que antes escrevi, eu pessoalmente considero o seu pensamento perigoso.

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
88 comentários
50 comentários
44 comentários
43 comentários
38 comentários
36 comentários
27 comentários
25 comentários
arquivos
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.