Por João Galamba | Quarta-feira, 09 Setembro , 2009, 14:15

Para o Bloco, a solução para a pobreza e para as desigualdades é muito simples: estamos perante um problema de redistribuição da riqueza. É o estafado: existem pobres porque existem ricos. Há quem ache que se deve ir por aqui. Eu discordo. Ou melhor: a redistribuição e necessária, mas não chega. É uma fantasia achar que se resolve o problma da pobreza e das desigualdades criando um escalão de 45% de IRS e um imposto sobre as grandes fortunas. Os nossos problemas também não se resolvem nacionalizando a banca, os seguros e o sector energético — e muitos menos se resolvem introduzindo mecanismos de controlo administrativo e burocratico dos juros.


Em tudo o que cheire a economia a solução do BE é sempre a mesma: estatismo e penalização da iniciativa privada. Estamos perante, se me permitem, um liberalismo invertido: onde estes acham que o privado resolve tudo, o BE acha que o estatismo é a panaceia para todos os atrasos do nosso país. Um e outro, acreditam na solução varinha mágica e reduzem as razões do nosso atraso reside à estafada questão da propriedade dos recursos — e não na utilização dos recursos. Se o PSD tem um preconceito em relação ao Estado, o BE tem um preconceito em relação aos privados. Nenhum destes partidos entende que a relação entre Estado e privados não é um jogo de soma nula.

 

O PS mostra ser mais inteligente e vai buscar ensinamentos tanto à direita liberal como à esquerda estatista. Daí o PS propor uma solução intermédia que reconhece a complementariedade entre público e privado, isto é, o PS é o único partido que mostra ter aprendido com a crise actual e com a falência do socialismo real. Enquanto o PSD fala como se esta crise não tivesse existido, o BE fala como se só tivesse existido essa crise, como se o socialismo tivesse sido inventado em 2009.

 

Um dos maiores problemas do BE consiste na ausência de uma política que assegure um crescimento económico que garanta o a sustentabilidade do estado social. Para o Bloco, solidariedade não requer competitividade e crescimento económico. Por outras palavras: a solução para todos os nossos problemas não tem de ser construída, isto é, não depende da criação de um contexto que económico que ainda não existe. Os nossos problemas resolvem-se a partir dos recursos actualmente existentes, redistribuindo-os. Mas alguém acredita que as medidas propostas pelo Bloco garantam os crescimento económico que financie as políticas sociais que a esquerda bloquista deseja? Qual a tx de crescimento necessária para pagar o estado social defendido pelo bloco sem que o défice se torne insustentável? O BE, infelizmente, ignorou estas contas.
 

Mário Teixeira a 9 de Setembro de 2009 às 15:21
Vi o debate de ontem com muita atenção e tornei a revê-lo.

Concluo que o BE e Francisco Louçã não têm ponto por onde se lhe pegue.

Não respondeu a praticamente questões nenhumas, limitando-se a lançar granadas de mão, aliás ao seu estilo Populista e de consciência moral da democracia.

Confesso que é irritante a postura de FL, principalmente quando é confrontado com as suas reais intenções políticas.
Um das que ficou por responder (não por falta de insistência numa resposta) foi a das Nacionalizações. Quais as consequências que isso teria para o país.

Concluo que o BE e FL são invejosos, invejosos porque na perspectiva deles não podem existir ricos ou pessoas que tenham trabalhado e atingido boas condições de vida. Para eles todas as pessoas deveriam ser pobres e infelizes, se Portugal fosse dirigido pelo FL e pelo BE, imagino um País cinzento, sem cor, todos com uniformes da mesma cor, casas iguais, carros iguais, livros iguais, músicas iguais. Um lugar onde a criatividade e a liberdade não teriam lugar.

Eu não quero um país assim, não quero viver assim. Com ideias do séc. XIX que já foi mais do que provado que não são exequíveis nem trazem nem progresso e bem estar aos povos.

É muito lamentável que FL continue a insistir nesta forma irresponsavél de fazer política. É aliás nojento tudo isto. Mentir declaradamente. Enganar as pessoas desta forma.

Se assim como dizem esta "esquerda" a esquerda caviar, é composta por intelectuais, eu diria que estes intelectuais deveriam estar num museu ao lado do bakunine e dos outros todos. Porque o seu contributo para a melhoria do país é nulo.

Resumidamente, gente que nasce infeliz e tentam tornar todos os que os rodeiam em infelizes.

Mariana X a 9 de Setembro de 2009 às 20:19
Sim, de facto está mal perturbar quem é feliz a olhar para as sombras na parede da caverna...

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
88 comentários
50 comentários
44 comentários
43 comentários
38 comentários
36 comentários
27 comentários
25 comentários
arquivos
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.