Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

SIMplex

SIMplex

06
Set09

Combate 4 - PSD contra BE / BE contra PSD - rescaldo

Sofia Loureiro dos Santos

 

Mais um debate civilizado, o que é excelente, mais BE contra PSD.

 

Ficaram bem patentes as diferenças entre o BE e o PSD. Mas essas diferenças já eram conhecidas.

 

Aquilo que me espantou foi ter assistido ao arrasar do programa eleitoral (inexistente) do PSD, obrigando-se Manuela Ferreira Leite a concordar pontualmente com Francisco Louçã e a desdizer o pouco que lá está escrito, como por exemplo na segurança social, por um pregador que do seu púlpito falou da liberdade e da responsabilidade, da grandeza da democracia, da violência da insensibilidade, etc.

 

Na questão do emprego e do desemprego Francisco Louçã exibia o sorriso do vencedor. Na saúde Manuela Ferreira Leite acenou com as listas de espera para morrer mas foi de imediato cilindrada pela necessidade que o sistema privado tem de se socorrer do público, precisamente nas áreas mais críticas dos cuidados intensivos, da oncologia, etc. Manuela Ferreira Leite esteve bem quando apelidou as taxas moderadoras para os internamentos e cirurgias de um imposto.

 

Por fim, de uma maneira cordata e serena, Francisco Louçã conduziu Manuela Ferreira Leite para o cadafalso quando se falou do casamento entre homossexuais, uniões de facto e procriação medicamente assistida. Num frenesim, Francisco Louçã perorou sobre a felicidade e o direito de amar que o Estado deve garantir a todo o indivíduo, encurralando Manuela Ferreira Leite no reconhecimento da evolução da sociedade que já não considera isso um tabu, sem sabermos exactamente o que era isso.

 

Louçã esmagou.

 

Nota: Também aqui.

 

3 comentários

  • Sem imagem de perfil

    am 07.09.2009

    Não percebi nada. Hospitais como empresas até às engrenagens dos lucros, marcação rápida de consultas como luxos e mordomias, alteração da visão médica pelo lucro imposto (mas o serviço realizado pelos privados é frequentemente mais barato), concepção sulista católica europeia do lucro como uma coisa suja (mas o lucro é a retribuição de um investimento!).
    Diga-me uma coisa. Se cortar um dedo com uma faca e precisar de ser suturado vai ao centro de saúde, onde se recusam a suturar porqur não são obrigados a fazê-lo? Se precisar de uma consulta de urgência vai ao centro de saúde, onde as consultas são marcadas com muita antecedência ou vai preventivamente, adivinhando a urgência futura, às 5 da madrugada, marcar vez no centro de saúde? Ou espera horas na urgência de um hospital público? Em que centro de saúde faz as suas consultas de medicina dentária, de oftalmologia, de ginecologia, de otorrinolaringologia, etc? Marca consultas a um ano num centro de saúde? Num hospital público? Para quê? Para não dar negócio aos privados? Privados que o atenderiam na hora? Que lhe dariam consultas de especialidade em menos de um mês? É esse o valor que dá à sua vida?
  • Sem imagem de perfil

    Filipe 07.09.2009

    am,

    Não sei que hospitais você frequenta, mas eu fico-me pelos de Lisboa. Já fui paciente no S. José e em dois privados, no da Luz e nos Lusíadas.
    Deixe-me que lhe diga, e para isso pode confirmar pela net , que os hospitais privados são tão ou mais caóticos em termos de atendimento como um público.
    No da Luz estive quase 3 horas às espera de ser atendido, numa urgência, depois de ter caído um vão de escadas. Acha pouco? Precisaria eu de cortar um dedo, como você heroicamente hiperbolizou?
    No dos Lusíadas fui mais rapidamente atendido, mas as deficiências a nível de empregados também fazem com que seja pouquíssimo eficiente.
    Ora portanto, e referindo-me aos custos, prefiro pagar pouco num público e esperar, do que pagar muito num privado e ... esperar!
    E pegando no seu exemplo um tanto exagerado, se você cortar um dedo sugiro-lhe que se dirija ao hospital e não vá empatar aquelas gentes do CS mais perto. Mais vale ser bem atendido no hospital (e não acredito que com um corte no dedo, necessitando de sutura, demore horas). Deixe-se de espalhafato.

    Nunca disse que o Estado não deve fazer acordos com os hospitais privados, mas já que afiançou o assunto digo-lhe que acho incorrecto muitos dos casos, sobretudo porque os públicos têm capacidade para resolver alguns dos problemas. Mas adiante.

    Não me venha com historietas de que eu lhe quero coarctar a sua liberdade de escolha: falei no "eu", e não em "nós"...portanto ou você me considera como todos...ou então lê mal.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.