Por Sofia Loureiro dos Santos | Sexta-feira, 24 Julho , 2009, 23:43

 

 

A blogosfera afirma-se como um espaço de debate pré-eleitoral, reunindo-se em blogues colectivos ou manifestando-se em blogues individuais.

 

Para já a formação do SIMplex despoletou a emergência do Jamais (para ler em francês), alinhando-se os guerreiros de cada lado da barricada.

 

Ainda bem. É claro, honesto, interessante e divertido. Ma é conveniente não esquecer o objectivo da batalha: discutir opções políticas, alternativas, discutir áreas de actuação em falta, resultados, ideologias.

 

Este governo teve um mérito que não me lembro de ter visto em qualquer governo anterior: acabar com o mito de que a esquerda é indecisa, titubeante, gastadora, perdedora, sem vontade, niveladora por baixo e não reformadora. Este governo apostou nas tecnologias de informação, na formação e na avaliação. Aquilo que foi chamado de propaganda de powerpoint representou uma viragem no paradigma do envelhecimento das mentalidades, foi uma afirmação de que é possível mudar por dentro.

 

É inaceitável que hoje em dia se não aposte na informatização de todos os serviços públicos. A resistência à mudança é clássica, mas não se pode manter a falta de bases de dados actualizáveis e utilizáveis por todos os que delas necessitam.

 

No SNS deve apostar-se na informatização dos Centros de Saúde (CS), nos processos, requisições, prescrições, recados, memorandos, codificações, facturações, gestão de stocks, gestão de circuitos e manutenções de equipamentos, controlos de fluxos de trabalho, digitalização de imagens (radiografias), etc. A objectivação e armazenamento electrónicos tornarão mais ágeis, leves e precisas todas as informações relativamente aos doentes, às terapêuticas, aos meios complementares de diagnóstico, permitirão uma melhor gestão dos tempos e dos recursos e obrigarão ao cumprimento de protocolos, que uniformizam critérios e procedimentos e reduzem a hipótese de erro.

 

Seria de toda a conveniência que os CS, USF e hospitais trabalhassem em rede, o que permitiria que os doentes fossem seguidos em ambulatório pelos seus médicos de família, que poderiam ter e fornecer dados dos seus utentes aos colegas de várias especialidades. Este é um movimento de renovação que tem de continuar.

 

(Publicado também aqui)

 


fred a 24 de Julho de 2009 às 23:57
Não voto PS

Zé dos Reis a 25 de Julho de 2009 às 02:15
Eu voto.

Rui Aguiar a 25 de Julho de 2009 às 00:16
Cara Sofia. Vou um bocado á boleia e aproveitar a permissão de comentar para propor que seja incluído no SIMPex o filme de António Costa a demolir os argumentos de PSL. É, talvez, fora de âmbito. Mas merece divulgação.

http://antoniocosta2009.net/

Sofia Loureiro dos Santos a 25 de Julho de 2009 às 12:36
Já alguém aceitou a sugestão.

xadrezismo a 25 de Julho de 2009 às 00:29
Como é possível ainda não estar aqui nada sobre as "verdades" de Santana em vídeo????

http://sol.sapo.pt/blogs/xadrezismo/archive/2009/07/24/A-_1C20_POL_CD00_TICA-DE-VERDADE_1D20_-NA-VERS_C300_O-SANTANA.aspx

Desfrutem.

Diogo a 25 de Julho de 2009 às 00:29
Cara Sofia,

Gostava de perceber porque é que uma empresa dirigida por criminosos – o BPN - foi nacionalizada, custando, às pessoas que trabalham e pagam impostos, 2.500 milhões de euros.

Nuno Pereira a 25 de Julho de 2009 às 00:56
Serei Simplex, Jamais Nunca!
AÍ temos os blogues gladiadores!
Autêntico frenesim na blogosfera que calcorreamos diariamente.
São mais de trinta bocas a arfar argumentos de parte a parte numa de ora agora escreves tu ora agora escrevo eu. E não dão descanso a qualquer pausa para quem que está do outro lado da barricada, tenha tempo para se aperceber o que realmente cada texto quererá dizer. E mais interessante onde quererá chegar. Já que eles surgem em catadupla, numa de aposta a ver quem tem mais visitantes. E quem tem tempo de antena (escrita).
Isto de blogar em defesa de partidos tem muito que se lhe diga.
A agua que trás no bico é de encher a curiosidade de qualquer um.
Escolhidos a dedo, começaram meia dúzia e hoje ainda só se passaram três dias já a lista vai gorda. Reconheço na maioria deles arcaboiço para ombrear com tamanho desafio.
E não é para menos, levam vergastadas de todos os lados, principalmente dos conhecidos blogues que são autênticos oposicionistas, tanto de um como de outro e não raras vezes dos dois. Mas como quem corre por gosto não cansa à que pegar o touro pelos cornos e devolver a vergastada enquanto ela ainda está quente.
Claro que muitos são já das respectivas famílias dos partidos e quem sabe, alguns deles irão retirar benefícios num futuro não muito distante, tudo dependendo do resultado das eleições e poderá acontecer vemo-los entrincheirados nas várias acções de cada partido.
Mas é excitante para quem está de fora e um simples curioso como eu, verificar a capacidade de alguns deles já com renome no jornalismo cá do burgo e não só. A perspicácia com que elaboram os seus textos. As fontes que possuem em conhecimentos amadurecidos nos largos anos que levam de luta diária. E na constante pesquisa autênticas sanguessugas, para conseguirem o enquadramento das imagens com o texto, verdadeiros quadros líricos com legendas a apadrinhar.
A disputa promete!
A correria não terá moleza.
O fôlego não poderá ser perdido por dá cá aquela palha.
Parar só mesmo na meta das eleições. Porque o objectivo de cada um é dar a tal força que o partido precisa para vencer a 27 de Setembro.
O Simplex levará a melhor, tanto na equipa que possui, como na força que brota em todos eles, porque cada um deles vale por dois no lado oposto. E no final sobrará sempre alguns para elevar em ombros os restantes que são mais franzinos e menos capazes em elevar os pesadinhos, que do chão se sentem mais seguros.
Jamais serei apoiante de um partido sem alternativas e sem pessoas capazes de nos guiar ao encontro da estabilidade e da segurança. Por isso prefiro apoiar quem apoiei na última grande vitória e como diz o velho conhecido do “Restelo”. Sou do Partido Socialista desde pequenino!
E sou mesmo!












Sofia Loureiro dos Santos a 25 de Julho de 2009 às 12:38
Espero que possamos merecer a sua confiança.

Diogo a 25 de Julho de 2009 às 01:51
Cara Sofia,

Apagou-me o comentário?

Gostava de perceber porque é que uma empresa dirigida por criminosos – o BPN - foi nacionalizada, custando, às pessoas que trabalham e pagam impostos, 2.500 milhões de euros.

A minha amiga tem alguma explicação?

Sofia Loureiro dos Santos a 25 de Julho de 2009 às 12:39
Não, não apaguei o comentário. O BPN não é o tema deste post .

Nuno Pereira a 25 de Julho de 2009 às 13:16
Terá,terá! Estamos todos no mesmo barco.

Mário a 25 de Julho de 2009 às 16:28
Claro que para lhe explicar porque é que um País tem de intervir num caso destes, era necessário que lesse pelo menos algo sobre a grande depressão de 1929/33 e soubesse como actuaram alguns paises e o resultado.
E não se esqueça que esses a quem chama criminosos (a Justiça ainda não os condenou) já fizeram programas do PPD/PSD e até como eram muito honestos, não prometiam muito com medo de não poder cumprir; eram defensores da POLÍTICA DE VERDADE.
Mário

Zé dos Reis a 26 de Julho de 2009 às 02:22
Foi nacionalizado porque, entre outras coisas (risco sistémico para o sistema bancário português, etc), o custo estimado para os contribuintes de deixar falir o BPN seria de uns 17 mil milhões de Euros.
Os cerca de 2.000 funcionários que iriam para o desemprego. Os depósitos a prazo que o estado teria de pagar. Os PPR que o BPN detem. Acredito que umas boas dezenas de milhar de possuidores de PPR's no BPN a berrarem na rua pelo seu pé de meia(vide por muito menos o que se passa no BPP) seria música para todas a oposições, mas seria eu e o Diogo que no fim iriamos pagá-los com os nossos impostos.

Um Cidadão a 25 de Julho de 2009 às 01:58
O seu texto é bom e eu estou de acordo com ele!
Faltou só explicar as taxas "moderadoras"...o seu aumento em percentagem e a sua aplicação a internamentos.

Sofia Loureiro dos Santos a 25 de Julho de 2009 às 09:49
Não explico. Não estou de acordo com a introdução de taxas moderadoras nos internamentos e nas cirurgias de ambulatório, como já o disse http :/ defenderoquadrado.blogs.sapo.pt 439909.html ).

NP a 26 de Julho de 2009 às 00:13
Pois.

Isso das taxas moderadoras tem muito que se lhe diga.

E o seu aumento foi, na minha opinião, uma alteração bem feita, mas rapidamente aproveitada pelas oposições para o insulto gratuito.

Num mundo perfeito não haveriam taxas moderadoras. Mas este não é um mundo perfeito.

Ademais, nunca ouvi falar de ninguém que não tenha tido assistência médica por não poder suportar a respectiva taxa. Isso sim, seria escandaloso.

Bruno Gonçalves a 25 de Julho de 2009 às 14:43
Uma nota: A maioria das USF do país já trabalham exclusivamente com sistemas informáticos, tanto na gestão da consulta, prescrições, requisições, ... Muitas das trocas de informação e pedidos de especialidade já são feitos por um sistema informático concebido para o efeito.

"Acabar com o mito de que a esquerda é indecisa, titubeante, gastadora, perdedora, sem vontade, niveladora por baixo e não reformadora."

Bem, a avaliar pelas críticas ao governo Sócrates não me parece que o mito tenha acabado. O governo Sócrates, inicialmente não era indeciso, foi petulante, arrogante e forçou as suas vontades independentemente do contexto e de discussão. Mas reformas, nada. Apenas ajustes estéticos na Administração Pública, nada mais. Foi certamente gastador, inicialmente tentando controlar o défice pelo método de angariar mais receita e depois aprovando sucessivos planos de mais despesa, com a justificação de estimular a economia. Resultados, nenhuns.

Mas numa coisa tem razão, a propaganda powerpoint foi de facto uma viragem de paradigma, até hoje nunca o nosso país tinha assistido a uma máquina de propaganda governativa tão oleada como a do PM em acção. A RTP hoje está irreconhecível e nem falemos da ERC. Assistiu-se à mudança de vários paradigmas, infelizmente o da liberdade de expressão foi um deles.

Sofia Loureiro dos Santos a 25 de Julho de 2009 às 14:59
O paradigma da liberdade de expressão, como se demonstra pela sua resposta, só terá melhorado. É verdade que muitos CS e USF já estão informatizados. Como vê, algo está a mudar. Mas ainda há muito por fazer a esse nível.

Quanto ao slogan da máquina de propaganda não passa disso - um slogan.

Como criar um blog a 26 de Julho de 2009 às 16:15
Tambem concordo.
Devemos discutir as opções políticas e as alternativas existentes ... é pena é não haver muitas, ou as que existem não têm uma expressão significativa.

Eduardo a 29 de Julho de 2009 às 23:02
Ëxiste uma unidade de saúde ,pertencendo ao ACES do Alto Tamega , com cerca de 5600 utentes , em que a largura de banda da linha do sistema informático, nao ultrapassa os 6Kbps, o que acarreta trantornos consideraveis aos utentes e profissionais , havendo até importantes aplicaçoes que não podem ser utilizadas.Ora esta situçao arrasta-se há VÁRIOS ANOS, sem que os responsáveis nada tenham feito para a resolver.É isto a tão desejada e necessária informatizacão dos Centros de Saúde? Quantos mais anos teremos de esperar e desesperar?

Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
88 comentários
50 comentários
44 comentários
43 comentários
38 comentários
36 comentários
27 comentários
25 comentários
arquivos
pesquisar neste blog
 

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.