Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

SIMplex

SIMplex

04
Set09

Cui bono?

Porfírio Silva

A ex-deputada do CDS/PP, Manuela Moura Guedes (MMG), esticou a corda na TVI.

Jornalista na mesma casa onde existia um chefe muito dedicado, José Eduardo Moniz (JEM), MMG levou até ao extremo uma “linha editorial” particularmente interessada num só homem e num só partido. Recentemente tornou-se óbvio que poderiam ocorrer modificações importantes na estrutura accionista da empresa. Pressão político-mediática, exercida para tentar envolver o PS nessas modificações accionistas, acabou por impedir uma empresa com capitais públicos de fazer o seu negócio nesse caso. Outra empresa aproveitou a circunstância e comprou uma fatia interessante da TVI. Entretanto, JEM saíra da TVI, com uma indemnização razoável. MMG apressou-se a esclarecer que isso não a afectava nada. Mas é claro que o quadro de “estabilidade protegida” de que gozava MMG podia vir a ser afectado. JEM reconheceu que sempre sentira dificuldades (manifestações de desacordo) por causa da linha editorial da estação, incluindo o jornal de MMG. Mesmo na TVI, qualquer espectáculo acaba por cansar: o Big Brother também teve os seus momentos de glória. A ex-deputada do CDS/PP, MMG, gosta de fazer acontecer, em vez de esperar que chegue o seu dia. Acrescentar algum vinagre na ferida podia dar bons resultados: uma ideia interessante seria provocar, talvez mesmo insultar, os seus patrões. Declarou: “Só se fossem muito estúpidos é que me tiravam do ar”. Provavelmente poucos patrões engoliriam o desafio. E provavelmente isso foi calculado.

Os resultados começam a aparecer. A primeira parte já está: a vingança política. Servir à oposição a oportunidade de mais uma calúnia é a primeira fatia. A oposição aproveita sem qualquer pudor: não se sente obrigada a fundamentar nada do que diz, só lhe interessa poluir. Mas talvez MMG possa esperar mais resultados. Uma indemnização, um destes dias?

A pergunta a fazer é sempre cui bono? Quem beneficia com isto? Quem precisa de que a campanha eleitoral seja isto, em vez de discussão dos programas e da obra de cada um? Quem quer calar os sinais de que Portugal é um dos países que melhor enfrentaram a crise? Quem acha que só pode ganhar com uma campanha de calúnias?

 

(também aqui)

10 comentários

Comentar post