Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

SIMplex

SIMplex

01
Set09

(post-it 26) O regresso da Telescola

João Paulo Pedrosa

 

 

Os modelos tradicionais de campanha eleitoral e o modo como funcionam os partidos políticos estão totalmente datados. Todavia, uma coisa é a emergência de novas formas de fazer política, outra coisa é a total incapacidade de lidar com as actuais.

Com efeito, MFL declarou hoje que não vai fazer comícios, vai fazer sessões de esclarecimento, como se nuns estivesse o pecado e noutras a virtude. Ora, justamente, todos sabemos que comícios, arruadas programadas, visitas institucionais, palestras temáticas e sessões de esclarecimento são tudo a mesma coisa, ou seja, iniciativas públicas preparadas e programadas para servirem de base à transmissão de determinadas mensagens políticas.

 

Portanto, em bom rigor, MFL não faz comícios porque o modelo da iniciativa lhe é adverso e a sua prestação seria um desastre comunicacional total. MFL não tem nenhuma das características políticas dos líderes partidários, não é boa oradora (expressa-se mal, nas palavras de Pacheco Pereira) e tem grande repulsa em contactar com as pessoas. O seu modelo de comunicação política é, pois, o da antiga Telescola.

 

É que, de facto, a exigência de um comício não é compaginável com uma sala programada de fiéis ouvintes, onde se lê um texto e se expressa uma determinada mensagem política com o fim exclusivo de servir os 5 mn do telejornal da noite. Paulo Portas e, em parte, Louçã têm sido eficazes nesse modelo e Ferreira Leite quer, agora, seguir-lhes o rasto.

 

Portanto, só o PS e o PCP arriscam (e vão continuar a arriscar) nesta forma de comunicação política, mais improvisada, mais solta, mais emotiva e também mais sujeita à análise dos órgãos de comunicação social e ao livre escrutínio do público, mas como não é previsível podermos contar com a mediação da comunicação social, num tempo em que todos os partidos e todas as mensagens têm o mesmo valor no espaço comunicacional, o modelo dos directos tem, em consequência, muito maior alcance e eficácia eleitoral. Quando uma estação de televisão dá a mesma importância e o mesmo espaço noticioso quer a uma visita de Paulo Portas a uma feira, quer à mobilização de 10 mil pessoas para um comício do PCP no Pavilhão do Atlântico, por exemplo, a política está mesmo reduzida à Telescola. Convém não facilitar…

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.