Por João Pinto e Castro | Sexta-feira, 28 Agosto , 2009, 18:30

 

Mais um extracto da entrevista de Louçã ao Jornal de Negócios de 4ª feira:

P - Esta "desprivatização" da Galp e EDP seria um confisco ou uma compra?

R - Há várias formas possíveis. De Gaulle nacionalizou sem indeminização.

Reparem na subtileza. Se algo grave suceder, o responsável terá sido De Gaulle, não Louçã. (Poderia ter lembrado Vasco Gonçalves, mas, no momento, só lhe ocorreu De Gaulle.) Louçã não se pronuncia directamente pelo confisco: "há várias formas possíveis", constata o homem de ciência. Mas, se até o reaccionário do De Gaulle confiscou...

Em que circunstâncias isso sucedeu e o que confiscou De Gaulle, é algo que ao certo não se sabe. Nem de resto interessa, porque, bem vistas as coisas na sua adequada perspectiva histórica, De Gaulle só existiu para vindicar Louçã. A história é efectivamente, como recordarão alguns marxistas, uma velha toupeira.

De modo que Louçã confiscará, não por maldade, mas para não ficar atrás do defunto general. (E, já agora, admitamos que também para evitar que, como é usual em transacções bolsistas, os lucros futuros sejam implicitamente pagos adiantadamente por quem se propõe comprar uma empresa.)

Adiante. E depois? Depois, perante a ameaça de futuras nacionalizações atribiliárias, a cotação de todas as acções cotadas na Bolsa de Lisboa descerá a pique. Os investidores estrangeiros, em particular, farão as malas no dia seguinte (ou mesmo, quem sabe, no dia anterior).

"Que se lixem os grandes capitalistas", dirá Louçã. Sucede, porém, que, para além dos "grandes capitalistas" muitas outras pessoas e empresas detêm acções. Vai daí, descerá também o valor das empresas com capital empatado naquelas que forem nacionalizadas. E a cadeia de efeitos não parará aí.

Como a recente crise comorigemn nos EUA nos recordou, quando as grandes empresas começam a perder valor, às tantas há pessoas remediadas que vêem esfumar-se as poupanças de toda uma vida.

Não creio, porém, que isso apoquentasse Louçã. Uma tal eventualidade, gerando miséria e desemprego crescentes, servir-lhe-ia, aliás, para comprovar a intrínseca perversidade do sistema capitalista, eventualmente justificativa de novas nacionalizações, numa fúria crescente de ódio ao patronato explorador.

Quando dessemos por ela, estariamos a viver em Cuba
 


Porfírio Silva a 28 de Agosto de 2009 às 19:59
Oh Augusto, não lhe parece que o De Gaulle já foi há algum tempo? Que já mudou alguma coisa entretanto?
As nacionalizações devem ser (e são) possíveis ("até" Sócrates nacionalizou). Mas isso não voltou a ser a panaceia universal, ou acha que sim? Já se esqueceu das inúmeras dificuldades com que se depara o excessivo controlo do Estado sobre a economia? O que o post sublinha, acho eu, é a forma irresponsável de falar das nacionalizações.

João Pinto e Castro a 28 de Agosto de 2009 às 22:16
O ponto não á a nacionalização, é o confisco.

Porfírio Silva a 28 de Agosto de 2009 às 22:23
Confisco é nacionalização sem compensação, não?

João Pinto e Castro a 29 de Agosto de 2009 às 11:15
Exacto.

Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
88 comentários
50 comentários
44 comentários
43 comentários
38 comentários
36 comentários
27 comentários
25 comentários
arquivos
pesquisar neste blog
 

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.