Por João Pinto e Castro | Sexta-feira, 28 Agosto , 2009, 10:11

Interrogado pelo Jornal de Negócios sobre qual a medida mais urgente para combater a crise se assumisse a liderança do governo, Louçã respondeu:

"A primeira prioridade, porque são precisas medidas de injecção de actividade económica, seria um plano de reabilitação urbana dirigido a uma parte das 500 mil casas que estão desocupadas. Isso envolveria cerca de 2.500 milhões de euros de gastos públicos, 1,5% do produto."

Adoro o rigor da proposta. "Uma parte das 500 mil casas" quantas casas será? Se fossem mesmo 500 mil, o "plano" corresponderia a gastar não mais que 5 mil euros por casa, o que daria para pouco mais que pintar as paredes e mudar as lâmpadas.


Logo, não serão decerto 500 mil casas. De quantas estaremos então a falar: 400, 200, 50 mil? Só Deus sabe.

Por que estarão essas casas presentemente desocupadas? Qual a extensão das obras necessárias para recuperá-las? Ignoramo-lo, mas está assente que se gastará nelas 1,5% do PIB.

Outra coisa: o Estado vai dar o dinheiro ou vai emprestá-lo, e a quem? Louçã afirma que se tratará se "gastos público" - essa parte é clara.

Mas por que raio irá o Estado dar dinheiro a incertos para arranjarem os seus imóveis? Para sermos mais exactos, por que haverá o Estado de agarrar em recursos nessa escala e entregá-los aos proprietários de casas em más condições de conservação?

Que conversa da treta!
 

 


Filipe Guedes Ramos a 28 de Agosto de 2009 às 13:05
Com efeito, teve piada.
Louça, como sempre.

Luis Leiria a 28 de Agosto de 2009 às 17:49
Progrma do Bloco de Esquerda, p. 51

O PROGRAMA PARA O INVESTIMENTO PÚBLICO EM REABILITAÇÃO URBANA
Existem cerca de 500 mil casas desabitadas, das quais cerca de 30% estão disponíveis para venda ou
aluguer, e cerca de 61% (mais de 300 mil) não estão colocadas no mercado. Uma parte dessas habitações
está degradada, e muitos proprietários não têm recursos para as reabilitar. Por outro lado, os
preços de aluguer e de compra são ainda excessivos, as populações mais jovens estão a ser suburbanizadas
e os centros das grandes cidades estão desertos.
O Bloco de Esquerda propõe um programa de investimento público prioritário para responder a
estes problemas. Além disso, o investimento em reabilitação tem a vantagem de ter um efeito multiplicativo
imediato, quer por via da criação de emprego – ao contrário das grandes obras públicas
que só têm impactos em emprego dentro de cinco a dez anos – quer por via da redução dos preços
e portanto do aumento do rendimento das famílias. A modifi cação radical do mercado de arrendamento
com a recuperação dos centros urbanos tem ainda a vantagem da redução dos movimentos
pendulares de transportes e o combate à guetização.
Assim, o Bloco propõe a articulação entre três medidas.
A primeira é a reavaliação geral das matrizes urbanas e a penalização com uma sobretaxa de 5% no
IMI quando as casas estão desocupadas e não estão disponíveis no mercado.
A segunda é um programa de juros bonifi cados para os investimentos dos proprietários em reabilitação,
se as casas forem colocadas numa Bolsa de Habitação segundo regras de valorização que
permitam preços controlados.
A terceira é, para os proprietários que não têm recursos para a reabilitação, a intervenção do Estado
e dos municípios, que tomam a seu cargo as obras, alugam depois a casa durante cinco a dez anos
consoante o custo, e a devolvem no fi nal do prazo.
Considerando os preços médios de reabilitação, este programa deve investir 500 milhões de euros
durante cinco anos, para conseguir reabilitar 100 mil casas e apoiar com juros bonifi cados a reconstrução
de outras 100 mil. Esta profunda reforma urbana requer um investimento público imediato
mas também constrói um efeito de longo prazo na alteração do acesso à habitação.

João Pinto e Castro a 28 de Agosto de 2009 às 18:49
Notem esta coisa curiosa: 500 milhões de euros em 5 anos não é 1,5% do PIB, é 0,3% do PIB. E não seriam recuperadas 500 mil casas, mas sim 200 mil. O Louçã deveria estudar melhor o programa do Bloco antes de começar a divulgá-lo. Fiquemos por aqui.

Helena Garrido a 28 de Agosto de 2009 às 18:28
Caro João Pinto e Castro,
Há rigor na proposta de Francisco Louçã. Tem razão baseado no que foi publicado. Mas o líder do Bloco revelou ter o tema avaliado. A falta de espaço exigiu que cortasse todo o raciocínio que Francisco Louçã fez sobre esse tema - espero que em breve o possa ver em vídeo em www.negocios.pt.

Transcrevo aqui a parte da entrevista referente a esse tema e que foi cortada por razões de espaço:
"(...)Se admitirmos que uma casa custa entre 700 e mil euros por metro quadrado, sendo casas médias ou pequenas nos cascos históricos das cidades e apontando para cem mil casas com uma parceria entre o esforço públicoe a participação dos proprietários, isso envolveria cerca de 2500 milhões de euros de gastos públicos, 1,5% do produto (...).

Helena Garrido

Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
88 comentários
50 comentários
44 comentários
43 comentários
38 comentários
36 comentários
27 comentários
25 comentários
arquivos
pesquisar neste blog
 

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.