Por João Galamba | Quinta-feira, 23 Julho , 2009, 18:27

Já sabemos que Vítor Bento (e Abel Mateus) não percebe nada de análises custo benefício (como escrevi aqui, o João Pinto e Castro ali e o Carlos Santos acoli), pois acha que externalidades são "componentes da mais pura e arbitrária subjectividade", isto é, são uma treta. Também sabemos que Vítor Bento aconselha cautela, prudência e moderação. Mas — pasme-se — Vítor Bento insiste em dizer que Portugal tem de ser mais competitivo, isto é, tem de saber ultrapassar os seus constrangimentos estruturais. Como? É um mistério. Sabemos que não aprova os investimentos que visam diminuir a factura energética e modernizar as infra-estruturas do país. Se sabemos que rejeita tudo isto, o que nos resta? Tirando a ideia peregrina da redução dos salários, nada. Infelizmente, parece que alguma economia parece estar definitivamente condenada ao papel de lúgubre ciência.


Fernando Frazao a 23 de Julho de 2009 às 21:42
O que nos resta é um Conselheiro de Estado.
Mais uma do Sr. Silva.

Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
88 comentários
50 comentários
44 comentários
43 comentários
38 comentários
36 comentários
27 comentários
25 comentários
arquivos
pesquisar neste blog
 

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.