Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

SIMplex

SIMplex

17
Ago09

Um verão farto de leituras (ou de leituras fartas?)

José Reis Santos

A querida Ana Margarida Craveiro recomendou-me recentemente esta leitura de Verão. Tudo fruto (acho) deste comentário que eu fiz ao seu artigo no Diário Económico onde, de entre outras considerações, lancei o desafio de se debater a questão da identificação da população para efeitos civis e estatais. Este é um debate muito esquecido na sociedade portuguesa, de filosofia política, e que remete para a questão das funções do Estado e para a reflexão sobre que informação deve ter o Estado acerca dos seus cidadãos e/ou residentes? É ou não preciso (e necessário) um registo civil da população, tipo Bilhete de Identidade ou Cartão do Cidadão? Se sim, que informação deve conter? Se não, porquê?

 

Imagino que, perante a sugestão da Ana, ela esteja inclinada para defender uma visão minimalista do papel do Estado. Eu não tenho essa opinião. Como julgo ser mais interessante, nesta altura, fomentar este importante debate, permite-me, Ana, responder à tua sugestão com outras duas, um livro e um filme.

 

Primeiro um livro, «The Nazis Census», um estudo que aborda a questão dos censos produzidos na Alemanha Nazi, e apresenta uma leitura da questão sobre o prisma do totalitarismo e do autoritarismo. Neste caso, um regime «fascista» utilizou o Estado, os seus recursos, para construir e manipular uma base de dados da sua população para efeitos maléficos.

 

 

 

Depois um filme, «The Baader-Meinhof Complex», que retrata a história do famoso grupo terrorista de extrema-esquerda alemão dos finais dos anos 60 e inicio dos 70. No filme é abordada - en passant - novamente a questão do uso dos recursos do Estado, agora democrático, para a identificação da sua população, mas agora procurando responder a questões securitárias e policiais. É um bom filme, dentro da linha da nova vaga de filmes memorialistas alemães, que nos obriga a uma reflexão mais densa acerca da sociedade contemporânea; tocando em temas como o papel do Estado, a Liberdade de Expressão (e os limites da mesma) ou a natureza do terrorismo moderno (as suas razões, tácticas e ideologia).   

  

 

Bom, já me alonguei, e não queria; mas quero ainda devolver o beijinho com_paixão à Ana, e desejar-lhe boas leituras.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.