Por José Reis Santos | Quarta-feira, 12 Agosto , 2009, 00:59

A estratégia do PSD para as legislativas só tem plano A: concentrar o poder nos mais fieis, tolerar uma aliança julgada impossível com o candidato a Lisboa, abrir uma pequena janela florida para a sua direita e compensar alguns bons nomes da irreflectida expulsão do Parlamento Europeu. Pelo meio rompe com outros apoios, indispensáveis a quem pretende o poder. Alguns dos que trabalham no terreno.

Tudo bem, se o PSD for o partido mais votado. Na noite eleitoral juntar-se-lhe-iam os agora descontentes e nas semanas seguintes todos os ansiosos do poder, ficando de fora apenas uns tantos, poucos, a lamber feridas. O acordo com o CDS seria rápido e se a união lograsse ser maioritária teríamos a reedição do cenário que Sampaio solicitava nos idos de Junho de 2004. Os protagonistas seriam os mesmos, o Povo já os conhece. Se ainda os respeita, é outra coisa. Teriam pelo menos lugar garantido até Setembro de 2011. O que difícilmente teríamos era o mesmo Presidente. A esquerda de maioria aritmética que não política, encurralada, romperia o cerco escolhendo um candidato comum, que fizesse coincidir a aritmética com a política. Governo de coligação de direita, Presidente de coligação de esquerda, daria pólvora.

Mas pode bem acontecer que o PSD seja o mais votado e não consiga maioria com o CDS. Se o Presidente o encarregasse de formar governo, sem garantias de pelo menos a abstenção de dois partidos à esquerda, o projecto dificilmente passaria e a criança governo saltaria para o colo presidencial.

Restaria sempre o famigerado bloco central. Mas com que autoridade se bateria por ele o Presidente, visto como uma segunda escolha? E com que respeito seria ele acatado pelos excluídos? A partir daí, os cenaristas perdem-se no nevoeiro, até mesmo na tempestade.

Tamanho esforço de romper com a oposição interna (Plano A) pode não lograr o reconhecimento do eleitorado, na muito provável hipótese de o PS ter mais votos. Com um PSD minoritário, empobrecido, encostado à direita. Onde está então o Plano B? A liderança seria questionada de imediato e provavelmente cairia em semanas, roída pela crítica interna. A esquerda agradeceria e também o Presidente, cuja margem de manobra actual se alargaria e a perspectiva de reeleição se confirmaria.

Concluindo, à Drª Manuela Ferreira Leite não resta outro futuro político que não seja levar o PSD a ser o partido mais votado. Mas para o obter dos Portugueses tem de dizer ao que vem, o que lhes oferece. Por enquanto só tem rostos, por sinal quase os mesmos do desastre de 2004-2005. Falta-lhe um programa, que termine com a nebulosa actual, a esconder opções que parecem crueis, mesmo que envergonhadas. Venha o programa.


António Correia de Campos, in Diário Económico

tags:

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
88 comentários
50 comentários
44 comentários
43 comentários
38 comentários
36 comentários
27 comentários
25 comentários
arquivos
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.