Por Eduardo Graça | Segunda-feira, 28 Setembro , 2009, 14:49

 

Foi um gosto e um prazer ter conhecido esta equipa que se reuniu em torno do SIMPLEX. Quer-me parecer que ainda há muita gente, mesmo alguns alcandorados nas proximidades do poder, que não entenderam a importância da blogosfera no combate político e, em geral, no exercício de uma cidadania activa. Mal deles e, ainda mais, dos chefes que lhes dêem ouvidos. Não é o caso, felizmente, de José Sócrates. Pela parte que me toca gosto de partilhar projectos que misturem gente de diversas gerações e sortidas maneiras de sentir e pensar. Foi o caso do SIMPLEX. Não cito nomes pois todas, e todos, mesmo os que não cheguei a conhecer pessoalmente, me incitaram, através do seu testemunho, a persistir no caminho da luta pela liberdade e pela democracia. Aqui vos deixo um abraço e a minha saudação fraterna. A nossa disponibilidade para, de forma voluntária, nos envolvermos na defesa de uma causa justa que, apesar de todas as dificuldades, saiu vencedora será, para todo o sempre, um gesto incompreensível para os fanáticos de todos os credos. Saímos, tal como entramos, de consciência tranquila deste projecto, como sói dizer-se, com o dever cumprido. AQUI lhes deixo uma primeira reflexão ainda pertença desta seara.  
tags:

Por Eduardo Graça | Sexta-feira, 25 Setembro , 2009, 23:41

 

Todos sabemos que as sondagens não votam. Mas existem. Encorajam uns e desencorajam outros. Criam expectativas e conformam decisões. Não vale a pena esconjurá-las quando os seus resultados nos são desfavoráveis, nem endeusá-las quando nos favorecem. Valem o que valem. E quer-me parecer que valem bastante. É este o quadro síntese das mais recentes sondagens realizadas a propósito das eleições legislativas de domingo. E este um dos mais importantes espaços de reflexão acerca das mesmas. Para mais tarde comparar.
tags:

Por Eduardo Graça | Sexta-feira, 25 Setembro , 2009, 09:53

 

As sondagens apontam para um bom resultado eleitoral do PS nas legislativas de domingo [Quadro final do Margens de Erro]. Coloco no campo improvável das surpresas absolutas a hipótese de qualquer partido alcançar a maioria absoluta. Com todas as reservas – sondagens são sondagens - o que é, para mim, um bom resultado eleitoral para um PS vencedor? É obter um número de deputados superior ao somatório dos deputados do PSD e do PP. Neste cenário um governo minoritário do PS correrá menos riscos pois só poderá ser derrotado pela convergência dos votos dos deputados da direita (PSD+PP) com os votos dos deputados do BE e/ou do PCP. Por razões de governabilidade, ou seja, de estabilidade política, é desejável, hoje mais do que nunca, que o PS obtenha uma vitória eleitoral por uma diferença confortável. Por isso voto PS!
tags:

Por Eduardo Graça | Quinta-feira, 24 Setembro , 2009, 20:43

 

A direita clama contra a censura que põe nos outros para esconder a sua vernácula vocação censória. É um velho e conhecido truque que, quase sempre, resulta nos momentos de desencanto. Se ascenderem ao poder os “impolutos”, e impunes, herdeiros do Miguelismo contemporâneo, acharão crime em tudo mesmo no que, para honrar os princípios da honra republicana, tenham feito os seus adversários para defender a liberdade e, por consequência, os defender também a eles. Cuidemos, pois, de prevenir esse risco votando no Partido Socialista.    
tags:

Por Eduardo Graça | Quinta-feira, 24 Setembro , 2009, 15:18

 

Apresenta-se AQUI o quadro actualizado das últimas sondagens respeitante às eleições legislativas de domingo. O responsável da INTERCAMPUS, que divulgará hoje uma sondagem realizada para a TVI/RCP, levanta uma ponta do véu: “Já não há empate técnico”.
tags:

Por Eduardo Graça | Quinta-feira, 24 Setembro , 2009, 01:15

 

Na primeira sondagem divulgada correspondente à última ronda – o Barómetro da Marktest – o PS sai na frente. Apesar da vantagem do PS o número elevado de indecisos indicia que os últimos dias de campanha vão ser decisivos. O PS tem razões para sorrir mas o excesso de confiança pode ser mau conselheiro.    
Pode ver uma apresentação sintética AQUI e comparar com os resultados do Barómetro, divulgados em 12 de Setembro, AQUI.
tags:

Por Eduardo Graça | Segunda-feira, 21 Setembro , 2009, 23:52

 

"Eu acredito no esforço colectivo. Faz-me confusão estes políticos - tipo Reis Sol - messiânicos, em que só um homem vale tudo"
tags:

Por Eduardo Graça | Sexta-feira, 18 Setembro , 2009, 15:58

 

O PSD de Manuela Ferreira Leite, em desespero de causa, lança a velha cartada do papão comunista (versão BE). Mas não foi José Sócrates o único líder politico que, no debate com Louçã, desmascarou o programa do BE? Não foi Manuela Ferreira Leite que, no debate, com Sócrates, questionada pela jornalista, rejeitou, liminarmente, qualquer hipótese de entendimento com o PS? O PSD conhece a linha política do PS nestas eleições desde sempre defendida, de forma clara, por José Sócrates: ganhar as eleições com base no seu programa eleitoral. E ganhá-las por uma maioria que permita ao PS governar sozinho. Nunca esteve em cima da mesa qualquer outra solução. Cenários há muitos, porventura desejos, até uma nova maioria absoluta do PS. Quem sabe? Deixem o povo votar em liberdade!     

Por Eduardo Graça | Sexta-feira, 18 Setembro , 2009, 10:34

 

Para ficar informado acerca de sondagens e, em particular, das sondagens mais recentes nada melhor do que dar uma vista de olhos ao Margens de erro.
tags:

Por Eduardo Graça | Quarta-feira, 16 Setembro , 2009, 10:20

Hoje, em Espanha, três destaques, três: la candidata Manuela Ferreira Leite, Cristiano Ronaldo e Durão Barroso. Dos três, Manuela desiste! Cristiano marcou! Barroso luta! Manuela “acusó a "los españoles" de intromisión en la política portuguesa, y proclamó que Portugal "no es una provincia de España". El motivo es la construcción de la red ferroviaria de Alta Velocidad acordada por los dos Gobiernos y que conectará Madrid con Lisboa en 2 horas y 45 minutos a precios competitivos con el avión.”; "Cristiano Ronaldo, que en media hora descorchó al Zúrich con versos de su repertório"; "El infatigable José Manuel Durão Barroso redobló ayer sus gestos y promesas especialmente en materias sociales en un último esfuerzo para convencer a los eurodiputados socialistas y verdes para que le voten hoy para un segundo mandato de cinco años al frente de la Comisión Europea."


Por Eduardo Graça | Segunda-feira, 14 Setembro , 2009, 11:45

 

Custa a acreditar que a Dra. Manuela Ferreira Leite tenha afirmado o que afirmou acerca do projecto do TGV. Custa a acreditar que não tenha medido as consequências políticas das suas afirmações. Ou que caso as tenha medido tenha sacrificado as relações com Espanha ao populismo de uma afirmação anti-espanhola sem futuro pois é insustentável seja qual for a estratégia da política internacional de Portugal no contexto europeu ou mundial. Não é preciso ter uma formação de nível superior, ter lido, viajado e escrito muito, saber de economia e finanças, de contas públicas e de indicadores, de política internacional e diplomacia, para temer o pior de uma política hostil face a Espanha. Basta o bom senso que Durão Barroso, esse mesmo que é presidente da Comissão Europeia, e foi presidente do mesmíssimo partido da Dr. Manuela Ferreira Leite, demonstrou nas suas declarações, acerca do projecto TGV, de Janeiro de 2004 sublinhando, entre outros, um aspecto muito importante e muito esquecido: a contribuição do TGV para a redução dos custos ambientais.  

*

tags:

Por Eduardo Graça | Sábado, 12 Setembro , 2009, 23:34

Nestes debates, por mais que os consideremos decisivos, não se joga o resultado final de uma eleição. Só se acontecesse a derrocada de um dos contendores, e mesmo assim há derrocadas e derrocadas, como foi evidenciado pela rouquidão de Jerónimo de Sousa no debate que antecedeu as legislativas de 2005! Não é expectável que isso aconteça num debate a este nível e este até foi sereno, civilizado e esclarecedor nalguns aspectos relevantes (TGV, por exemplo…), o que é bom para os eleitores e, do meu ponto de vista, favorece o PS. Manuela Ferreira Leite, como dirigente partidária, não tem um pensamento estruturado e por isso pode dar-se ao luxo de ensaiar uma espécie de errância propositiva que, convenhamos, não é fácil desmontar. Mas uma candidata a primeira-ministra não pode defender tudo e o seu contrário. Esta notícia recente é paradigmática do que acabo de escrever. Sócrates saiu vencedor do debate. Mostrou ser um dirigente político responsável, com domínio dos dossiers e com sentido de Estado. Julgo que é disso que os portugueses gostam. Manuela Ferreira Leite sobreviveu. Haja saúde!

 

tags:

Por Eduardo Graça | Quinta-feira, 10 Setembro , 2009, 10:22

 

AQUI deixo um testemunho pessoal acerca do memorável jantar de extinção do MES (Movimento de Esquerda Socialista) ao qual Ferreira Fernandes se refere, hoje, na sua crónica no DN:    
 
Quando o MES acabou (por lá passaram Sampaio e Ferro Rodrigues, entre outros) deu um jantar para anunciar: acabámos. O jantar limpou a cabecinha dos militantes, ajudou-os a fazer o luto de uma luta política, revolucionária, passando para outra, democrática (burguesa, diriam antes). Fez-lhes bem o jogo limpo: ontem íamos por ali, agora, vamos por aqui. Muitos deles foram depois ministros e patrões (o que antes combatiam radicalmente). Os que continuaram agarrados às antigas ideias chamarem-lhes vira-casacas, mas não puderam acusá-los de mentir na sua evolução. Não se passou o mesmo com o Bloco de Esquerda. Essencialmente, este é formado pelos trotskistas do PSR e os maoístas da UDP, correntes revolucionárias. Ora nem o PSR nem a UDP fizeram a proclamação política do seu fim, só deixaram estiolar as siglas.  Mas Francisco Louçã apresentou-se no debate com Sócrates assim: "Sou socialista, laico e republicano." Então, quando é que deixou cair o "revolucionário"? Não tenho dúvidas de que, no fundo, tenha deixado, e que talvez venha a ser ministro num governo a que chamaria burguês há poucos anos. Mas parece-me que lhe falta, a ele que dá tanta importância à ideologia, que o diga na teoria, antes de ser definitivamente comprovado, na prática, que mudou.
tags:

Por Eduardo Graça | Terça-feira, 08 Setembro , 2009, 23:21

 

Vou ser sincero quanto se pode ser sincero nestas matérias de apreciação de debates políticos. Sempre se fica com a sensação que cada um dos contendores poderia ir mais além. Observado de qualquer ângulo o treinador de bancada não perdoa qualquer hesitação, imprecisão, erro ou omissão. Nem deixa sequer passar em claro um esgar inapropriado que a televisão, implacável, amplia de uma forma brutal. O que me apetece dizer, após este debate entre Sócrates e Louçã, é que mais subiu o meu apreço, e admiração, por Sócrates. Fazer o balanço da política do governo que chefia, de peito aberto, no meio dos efeitos concretos de uma crise financeira e económica brutal não é mais do que o seu dever. Certo! Mas tomar a iniciativa de puxar as questões da política económica no confronto com um adversário especialista na matéria é mais do que o cumprimento de um dever, é assumir um pesado risco. Mas Sócrates, no campo das questões técnicas que Louçã domina, não perdeu, antes ganhou, tornando a força na fraqueza de Louçã. Afinal Sócrates mostrou que a fraqueza de Louçã é o seu próprio programa. É obra! E remato com uma citação, de 1974, que fui buscar a um velha brochura do extinto MES: “O socialismo é a associação livre de produtores livres e iguais, a sociedade em que aos produtores e apenas a eles caiba decidir o que se produz, como se produz e para que se produz”. É esta a utopia que Louçã balbucia mas não é capaz de transformar em programa político pois nunca ninguém foi capaz, nem nunca será, pela razão simples de se tratar de uma utopia.  Mal dos povos que dêem ouvidos a dirigentes que queiram transformar as utopias em experiências políticas pois essas experiências sempre acabam em tiranias.    
tags:

Por Eduardo Graça | Segunda-feira, 07 Setembro , 2009, 01:11

 

Assisti, ontem, à Convenção do PS no Coliseu dos Recreios. O que me surpreendeu? O funcionamento sem falhas da Convenção (pelo menos visíveis) que os detractores do PS devem considerar uma maleita mas que me deixou antever uma organização profissional, ou seja, o que se espera dos Partidos que são associações pagas, em boa parte, com o dinheiro dos contribuintes; o elevado nível, político e intelectual, das intervenções de dirigentes e de muitos convidados, oriundos dos mais variados quadrantes da sociedade, na sua maioria, independentes; algumas referências a matérias, outrora polémicas, que foram varridas, como por encanto, da agenda política nacional. Como por exemplo: a questão europeia (que coisa mais estranha!), a regionalização, a revisão constitucional, a co-incineração (quantas manifestações!) … Em contrapartida, para meu contentamento, falou-se muito de liberdade e democracia. É pela política que o PS vai lá! É pela política que o PS ganhará as eleições! Uma das linhas distintivas do PS em relação aos restantes partidos é a questão da liberdade. A defesa da liberdade pode ser penosa para outros partidos, menos para o PS. É a bandeira da liberdade que o PS não pode, em circunstância alguma, deixar de levantar porque é ela que distingue o PS, pela sua história e acção quotidiana, dos restantes partidos, à sua esquerda e à sua direita. Albert Camus, no conturbado período do pós guerra (1945) escreveu: “Finalmente, escolho a liberdade. Pois que, mesmo se a justiça não for realizada, a liberdade preserva o poder de protesto contra a injustiça e salva a comunidade.” (…) [In Cadernos nº 4]. E Jorge de Sena, nos alvores da Revolução de Abril, em 4 de Junho de 1974, escreveu, no magnífico poema “Cantiga de Maio”, este verso emblemático: “Liberdade, liberdade, tem cuidado que te matam.Será o eleitorado de esquerda capaz de compreender o que está em jogo nestas eleições?  
tags:

Por Eduardo Graça | Domingo, 06 Setembro , 2009, 11:12

 A campanha eleitoral do PSD, é penoso para qualquer pessoa de bom senso admiti-lo, caiu na linguagem própria da extrema-direita. Não sei que diabo se passa na cabeça de Manuela Ferreira Leite e de um intelectual do calibre de Pacheco Pereira para jogarem mão de argumentos próprios dos políticos populistas. Todos sabemos, pela história e pela experiência, para quem conheça um pouco de história e tenha alguma experiência dos meandros do poder, com seus vícios e virtudes, que o PS é, no nosso sistema político partidário, um baluarte da defesa da liberdade e da democracia. Nele convivem, aliás, diversas correntes ideológicas debatendo-se entre diferenças políticas, tensões geracionais e cambiantes doutrinárias. O PS ocupa o lugar do centro-esquerda no nosso sistema político partidário. Uma banalidade. Mas serve para dizer que não há outro lugar a partir do qual se possa gerar uma alternativa de governo viável. Não é sequer uma questão de ser um governo de esquerda, é de ser um governo viável, capaz de conciliar interesses antagónicos e de gerar políticas de superação da crise (mais profunda do que muitos possam pensar) do sistema capitalista tal como o conhecemos. A direita sabe isso melhor do que ninguém. Por isso o seu discurso populista só pode ser interpretado como um ensaio para a criação de um modelo de governo autoritário que abra caminho à liquidação da Constituição cuja matriz incorpora os valores do 25 de Abril. Todo o discurso populista do PSD, e do PP, em defesa das liberdades não é mais do que uma paliçada por detrás da qual se acoitam os inimigos da liberdade. Alguns deles já deram provas do que são capazes quando acederam ao governo no período de 2002 a 2005. A memória é curta mas haverá sempre quem não esqueça. A social-democracia de Sá Carneiro, e a Democracia Cristã de Freitas do Amaral, estão mortas e enterradas e os seus poucos herdeiros perderam a audácia de se levantarem em sua defesa. Será o eleitorado de esquerda capaz de compreender o que está em jogo nestas eleições?

tags:

Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
88 comentários
50 comentários
44 comentários
43 comentários
38 comentários
36 comentários
27 comentários
25 comentários
arquivos
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.