Por Eduardo Pitta | Quinta-feira, 24 Setembro , 2009, 16:53

Quando Manuela Moura Guedes foi afastada do Jornal Nacional, Pacheco Pereira protestou. Fez bem. O afastamento da apresentadora era um sinal claro de “asfixia democrática”, disse.

 

A semana passada, o Diário de Notícias divulgou os contornos de uma cabala política, com epicentro na Casa Civil do Presidente da República, visando desacreditar o governo. O assessor responsável (o silêncio do PR cauciona o raciocínio) foi demitido. Pacheco Pereira desafiou o Chefe de Estado a explicar-se antes das eleições. Fez bem. Afinal de contas, o silêncio autoriza as piores suposições. E contaminou a campanha eleitoral.

 

Não contente, Pacheco Pereira descobriu uma Operação Diário de Notícias. O DN é acusado de enfraquecer o Presidente da República e de violar todas as regras do jornalismo: «para obter um efeito político deliberado [o DN] cometeu vários crimes».

 

Não é extraordinário? E eu a pensar que Pacheco Pereira era um defensor acérrimo do tipo de jornalismo que justamente celebrizou Bob Woodward e Carl Bernstein. Enganei-me. Do lado de cá do Atlântico o escrutínio independente é crime. É pena.

 

 


Por João Paulo Pedrosa | Sábado, 19 Setembro , 2009, 01:05

Depois de Moita Flores ter dado o seu apoio a José Sócrates, Pacheco Pereira não descansou enquanto não o afastou da corrida a presidente da Câmara de Santarém. Como isso não é possível nos termos legais, Pacheco Pereira recorre à pressão sobre os media. E não é que resultou!

 A Agencia Lusa, pressionada, acaba já de anunciar que Pacheco Pereira é candidato do PSD a Presidente da Câmara de Santarém.  

Tal como Pacheco, também "é com muita preocupação que vejo o ambiente que está a ser criado à volta dos órgãos de comunicação social que ousam criticar Pacheco Pereira".

 

 


Por João Galamba | Quinta-feira, 10 Setembro , 2009, 13:15

Pacheco Pereira está enganado. O novo crime não é ir à Madeira. O "Crime" (a escolha de palavras de Pacheco Pereira é todo um programa) consiste em ir à Madeira  e dizer o que Ferreira Leite disse — e que, ontem, voltou a dizer — sobre asfixias democráticas, as de cá (tenebrosas) e as de lá (fantasiosas). "Crime" é branquear a forma como Jardim usa (e abusa) do poder na Madeira só porque isso pode dar uns votos. "Crime" é sacrificar "a Verdade" ao calculismo político mais rasteiro e oportunista. "Crime" é confundir democracia com voto popular. "Crime" é pôr em prática a teoria populista defendida por Isaltinos e Valentins de que a justiça é o voto do povo e de que, mais do que a lei, interessa o que as "pessoas sentem". "Crime" é Ferreira Leite dizer que o Governo de Jardim é um modelo a seguir. "Crime" é brincar com os Portugueses acenando com fantasmas irresponsáveis (cá) quando na Madeira há tiros a zepelins, seguranças privados que impedem deputados democraticamente eleitos de entrar no parlamento, atropelos aos legítimos direitos da oposição no parlamento e quejandos. "Crime" é o branqueamento do PR e do PSD aos despautérios de Jardim. "Crime é Ferreira Leite ter encenado um embuste retórico com um único objectivo: a conquista do poder. Já agora, Crime (sem aspas) é quando você acusa, difama e calunia sem provas. Já pensou nisso, Pacheco Pereira?


Por Paulo Ferreira | Quinta-feira, 03 Setembro , 2009, 11:16

No negócio da comunicação social, quer na área de informação quer na área de "variedades", são disponibilizados muitos palcos e dado amplo destaque a Pacheco Pereira.Este responde com desempenhos a preceito em prol das audiências.É uma espécie de estrela "Big Show SIC" recauchutada!

As intervenções de Pacheco Pereira, tendenciosas e manipuladoras, saturadas de ódio e despeito, sempre mascaradas com pudor, recheadas de hipocrisia e impregnadas de vitimização, parecem mesmo dum menino reguila e traquina que com a carinha mais inocente do mundo sorri para os outros enquanto faz "o seu serviço nojento"...

 

 


Por Hugo Costa | Domingo, 09 Agosto , 2009, 10:41

 

As listas do PSD estão fechadas. Pacheco Pereira é o cabeça de lista do distrito de Santarém. Desta forma importa ver afinal o que o fim da sua reforma política (com direito a subvenção vitalícia) traz ao debate das legislativas.
A certeza de um espírito a roçar o estalinismo é expectável. Pacheco Pereira é conhecido pela pouca solidariedade para quem não está do mesmo lado, mas mais importante é ver as posições daquele que já foi cabeça de lista de distritos como Aveiro e Porto. A minha primeira análise vai para a sua total insensibilidade social, posteriormente (em outros posts) irei analisar outros pontos de vista de Pacheco Pereira. Em 2001 referindo-se ao Rendimento Mínimo Garantido disse:
“Um governo corajoso devia acabar com este no primeiro dia da governação”
O Rendimento Mínimo Garantido foi uma das medidas sociais mais importantes adoptadas na História da Política Social Portuguesa, obtendo claros resultados na diminuição das desigualdades sociais, aproximando os 10% mais ricos dos 10% mais pobres. O Rendimento Mínimo Garantido ao longo dos anos tem permitido a resolução de problemas de pobreza extrema e capacitação para a emancipação social. Este instrumento tem como principio o direito à subsistência em padrões mínimos. Não sendo factor de exclusão o motivo ou a inexistência de anteriores contribuições para o sistema público de Segurança Social.
De referir que Portugal foi o penúltimo país da União Europeia a seu tempo, a adoptar a resolução de 1992 do Conselho de Ministros da União Europeia sobre a matéria de onde cito a explicitação dada ao mesmo apoio social “ o direito fundamental dos indivíduos a recursos e prestações suficientes para viver em conformidade com a dignidade humana.”
 
É esta a insensibilidade social que graça nas listas do PSD de Manuela Ferreira Leite. Pacheco Pereira representa aquelas pessoas que pelo seu nível de rendimento se esquecem de quem está abaixo dos níveis mínimos da dignidade humana, utilizando o populismo fácil para arrastar votos. O Rendimento Mínimo Garantido só pode ser considerado uma má medida por quem nunca precisou de um “empurrão” na vida para conseguir viver de forma digna. Como com todas as políticas sociais, não são os abusos que fazem de uma medida socialmente justa, uma má medida.

Por Paulo Ferreira | Segunda-feira, 20 Julho , 2009, 21:26

 

Pacheco Pereira disse no seu último tempo de antena na SIC Notícias, denominado Ponto Contra Ponto, que o último cartaz do PS, Avançar Portugal, era o mais machista que já tinha visto!

Não sei que outros cartazes Pacheco Pereira já "viu", presumo que muitos do PPD,pelo menos nos anos em que foi candidato a deputado, e alguns dos produzidos pela maquina de propaganda da antiga URSS, durante o tempo em que esteve a recolher e a investigar informação para a biografia de Alvaro Cunhal , para o livro 1984: a esquerda face ao totalitarismo , para o A sombra: estudo sobre a clandestinidade comunista ou enquanto coordenou os autores dos livros A situação política de Portugal vista pelo movimento marxista-leninista internacional  e Sem independência nacional, um povo nada terá: Textos e artigos de marxistas-leninistas sobre a luta pela independência .

Partindo desta base posso apenas deduzir que Pacheco Pereira terá certamente considerado o cartaz com Paulo Rangel para as últimas eleições europeias como um produto egocêntrico, narcisista, burguês com ares totalitários em tom pastel e o cartaz de Manuela Ferreira Leite e a Linha SOS PPD como um exercício de feminismo radical contaminado por pérolas burguesas e reaccionárias com uma sombra decrépita.

Discordo de todas estas análises, obviamente, parece-me é que José Pacheco Pereira percebe muito pouco de "cartazes", quase tão pouco como percebe de politica...a julgar pelas opiniões dos seus próprios companheiros!


Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
arquivos
pesquisar neste blog
 

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.