Por Bruno Reis | Sexta-feira, 25 Setembro , 2009, 18:31

Louçã não escondeu a sua ambição de fazer um Bloco comum da Esquerda, com ele a mandar, claro, e o PS engolido de preferência aos bocadinhos.

 

Nada conviria mais ao PSD que assim garantiria o monopólio do poder governativo para a direita durante umas décadas.

 
Além disso, o PSD e o BE convergem nas críticas a muitas das políticas do governo Sócrates. A única forma de evitar este cenário é o Partido Socialista ter o maior número possível de votos.

 

Isto não afasta que, em políticas económicas, por exemplo, o PS possa, se houver oposição responsável à direita, aprovar medidas responsáveis com ela nesse campo.

 

Isto não afasta que, em política sociais, por exemplo, o PS possa, se houver oposição responsável à esquerda, aprovar medidas progressistas neste campo com eles.

 

Não se trata de voto útil no PS. Todos os votos o são à sua maneira. Trata-se de dizer que (para mim) é evidente que quem quiser ter um país com governo a partir de dia 27 realmente terá de votar PS.

 

PS - Evidentemente que se o PSD e o BE vierem dizer que garantem que não formarão uma coligação negativa contra um governo PS, quem sou eu para duvidar até, eventualmente, actos desmentirem tais palavras. Mas ainda assim faltará quer a uns quer a outros uma ideia de governo de progressismo realista que é o me interessa.

tags: , ,

Por Hugo Costa | Sexta-feira, 25 Setembro , 2009, 08:46

Não existem dúvidas que o BE defende o Serviço Militar Obrigatório.

 

 

Citação do programa do BE:

 

"Está transformada a própria natureza funcional das Forças Armadas: em nome do profissionalismo, da

eficiência empresarial, duma tecnocracia pretensamente apolítica, elas tendem a agir como corpos mercenarizados

de contratados de onde desapareceu qualquer eco, por retórico que fosse, do conceito republicano

dos “cidadãos em armas”. Corpos de profissionais de guerras imperialistas tendem a ser, em si mesmos,

uma ameaça à democracia."

 

É este o partido que os jovens olham como moderno? 

tags:

Por Ana Vidigal | Sexta-feira, 25 Setembro , 2009, 04:15

"O BE defende uma avaliação de professores formulada por entidades externas, por institutos".

 

 


Por João Paulo Pedrosa | Quinta-feira, 24 Setembro , 2009, 23:11

O descontentamento dos professores pela introdução de um sistema de avaliação mobilizou todos os partidos da oposição para captar os votos da corporação.

O ponto é este, os professores e as suas representações profissionais, neste capítulo, o mais longe que vão é até à auto-avaliação. E os partidos à direita, verdadeiramente, sempre deram cobertura a esta exigência e só muito timidamente, de forma pouco audível, é que falam em substituir o actual sistema por um outro, mas nunca indo ao essencial de rejeitar ou negar a pretensão exclusiva de um modelo de auto-avaliação. O que era preciso era ganhar, a qualquer custo, os votos dos professores e, para isso, não se comprometeriam com nada tal como, por exemplo, denunciei aqui

Todavia, há minutos, fora do pregão do culto que tanto o caracteriza, perante as câmaras de televisão e depois de acossado com a pergunta, de Louçã  lá veio a resposta fatal.

"O BE defende uma avaliação de professores formulada por entidades externas, por institutos".

Finalmente caiu a máscara ao líder do BE. Os professores ficam agora a saber que o dr Louçã não defende a auto-avaliação como os professores e as suas associações de classe pretendem. O dr Louçã defende o essencial do modelo do PSD, uma avaliação externa à escola, feita por entidades contratadas para o efeito. Estou certo que´este é o último modelo de avaliação que os professores podem vir a querer. Outsourcing, nunca, é o que sempre tenho ouvido dos professores.

Mas ainda é tempo das organizações sindicais se pronunciarem sobre esta proposta de Louçã. Se o interesse e o esclarecimento dos professores valer, claro está, mais que o interesse partidário das organizações políticas em que alguns militam.  

E, já agora, solicito a todos os blogues próximos do BE que divulguem esta informação, é conveniente que o maior número de professores a leiam. Não temam o seu juízo, vós que tanto destes à causa.

 


Por João Galamba | Quinta-feira, 24 Setembro , 2009, 18:37

(Texto da autoria de Gonçalo Marcelo, doutorando em Filosofia na Universidade Nova de Lisboa)

 

Nenhum político pode aspirar à melhoria real da sociedade de cujos destinos se encarrega se considerar o exercício do poder como sendo a manutenção do status quo. Em certo sentido, um bom político tem que ser optimista, é certo, mas também insatisfeito; deve sentir em si a força motriz do progresso, da mudança em direcção a algo de melhor. E deve lutar por isso. Talvez seja esta mistura de confiança e optimismo, mas também de insatisfação e capacidade de luta, aliada aos dons naturais de comunicação que faz com que Obama seja o incrível político que mostra ser.

 

É nesse sentido que a política tem de ser, até certo ponto, utópica – isto é, tem de poder ser atraída pela possibilidade do diferente, pela representação do melhor, que é remetido para um tempo futuro mas que, em última instância, só pode ser obtido através da acção no presente.

 

Certos utópicos constroem sistemas de ideias perfeitas, ou escrevem sobre cidades que realmente não têm lugar. Por vezes, desiludidos com a distância que vai do aqui e agora até à projecção imaginada, desistem da realidade, fogem perante as dificuldades empíricas. Esta é a lógica do tudo ou nada, que a nada mais corresponde que a uma contaminação da realidade pela hipérbole do ideal. É uma má utilização da utopia, que corresponde a uma lógica de fuga. A utopia produtiva, se assim lhe quisermos chamar, é como uma ideia reguladora. Não tem de existir para produzir efeitos. E não tem de ser absolutamente obtida, em todos os seus contornos de projecção ideal, para que nos aproximemos o mais possível dela.



Por João Paulo Pedrosa | Quinta-feira, 24 Setembro , 2009, 11:26

Agora mesmo, no fórum da TSF, um ouvinte assinalou:

"Votei Sócrates mas fiquei desiludido com algumas medidas do governo e decidi votar no BE nestas eleições, tinha grandes esperanças no Louçã. No entanto, com os debates fiquei desiludido, ele não tinha preparação como eu pensava que tinha e neste momento estou indeciso" 

Este ouvinte expressa, no meu entender, o sentimento de muitos eleitores, a saber, uma sedução enorme pelo discurso demagógico, populista e de facilidade de Louçã e a consciência, tomada pelo confronto dos debates, de que as palavras melífluas de Louçã não passam de um enorme logro. 

E é por isso que Louçã (até aqui afirmava-se candidato a primeiro-ministro), vem agora dizer que já só quer impedir a vitória do PS. Impedir a vitória do PS não é nenhuma proposta política decente, é apenas um péssimo contributo para tornar o país ingovernável, sem rumo e sem estratégia para os problemas das pessoas.

Não creio que seja isso que o cidadão quer na hora que decide o seu voto. 

 


Por Luis Novaes Tito | Quarta-feira, 23 Setembro , 2009, 02:29

Bloco Esquerda 

Dá gosto ver aquele cartaz do BE onde estão onze homens e seis mulheres a dizer que estão prontos.

 

Eles lá saberão para quê estão prontos mas, pelo grafismo, parece  não ser para a paridade.  

tags: ,

Por João Paulo Pedrosa | Quarta-feira, 23 Setembro , 2009, 00:21

Francisco Louçã foi hoje a Esposende prometer uma barra nova para os pescadores.

"É uma questão difícil que tem uma solução simples. A solução [diz] é criar uma barra, uma protecção, que permita reter o lodo e as areias [mas] falta financiamento.


Por Carlos Manuel Castro | Sábado, 19 Setembro , 2009, 11:32

Francisco Louçã e os seus companheiros partidários podem ter livre escolha para investir nas PPR's, como tudo indica que fazem, de acordo com o Expresso de hoje.

 

Ainda bem que o cidadão Louçã não é perseguido verbalmente por um BE que gosta de condenar tudo o que é privado.

 

Afinal, o cidadão Louçã - ao contrário de muitos milhões de portugueses - não acredita tanto no Estado Social e prefere que as suas economias, as de académico e deputado da Nação, sejam cativas ao privado.

 

Se o cidadão Louçã tem todo o direito de fazer a opção pessoal que assume, já o político Louçã tem falta de moral para propor o que anda a dizer ao País.

 

Quem tanto inventa, como a hipotética contratação da Mota-Engil para construir a estrada do Centro e depois nem tem a humildade de pedir desculpa pela mentira que disse, pode dar-se ao luxo de dizer o que quer. Mas em política não pode valer tudo! Para o BE parece que sim.

 

Em suma, o cidadão Louçã tem, como qualquer um de nós, uma grande condição do regime democrático: Liberdade, algo pouco condizente com as propostas do Bloco.

tags: ,

Por João Paulo Pedrosa | Sábado, 19 Setembro , 2009, 00:03

Estou convencido que esta notícia é mais uma manobra, entre tantas outras, dos adversários internos da drª Ferreira Leite para a desacreditar. Se um eleitor, daqueles que decidem eleições, tiver a percepção que há alguma possibilidade do PS fazer uma coligação com o BE, opta, justamente, por dar o seu voto ao PS e não ao PSD. É assim, por exemplo, que pensa José Miguel Júdice quando, ainda hoje, em declarações ao jornal Público afirma:

 

"(...) Não acredito nas capacidades de MFL para governar Portugal e enfrentar os desafios que estão à nossa frente, sobretudo com um PS que - sem Sócrates, provavelmente - virará à esquerda. Se ela tivesse seguido o exemplo de Sónia Gandhi, talvez outro galo cantasse. Tudo medido, e nesse pressuposto, vou dar o meu voto ao PS - pela primeira vez em eleições legislativas. Será um voto em José Sócrates, que fique claro. E que não voltarei a dar no futuro se o ímpeto reformista se não vier a concretizar. Digamos que é umvoto receoso, mas com esperança. Julgo, aliás, que será assim o voto de muitos portugueses moderados. Que pouco precisam para si, mas que muito querem para Portugal e para filhos e netos". 

 

 

 


Por Paulo Ferreira | Sexta-feira, 18 Setembro , 2009, 17:50

O único partido com um programa de governo com cabeça, tronco e membros, com propostas concretas e definidas, com ideias claras e explicitas para todas as áreas de governação é o PS.Curiosamente, ou não, o único partido politico que ataca frontalmente a demagogia do Bloco de Esquerda, que denúncia a inexequibilidade de muitas das propostas deste partido, que realça e destaca os perigos que muitas das propostas defendidas por Francisco Louçã representam para os portugueses e para o futuro do País, que combate sem tréguas o discurso populista e irresponsável do Bloco de Esquerda...é também o Partido Socialista.

Tendo isto em conta é claramente um sinal de grande desorientação e enorme desespero o PSD vir tentar confundir e assustar os eleitores com um possível Governo de coligação PS - BE.

 

Os actuais dirigentes do PSD fingem esquecer-se que o Bloco de Esquerda pode ser tão populista como o CDS mas as suas propostas são muito mais irresponsáveis.O Bloco de Esquerda pode ser tão demagógico como o CDS mas, ao contrário deste, não existe apenas para servir de muleta. O Bloco de Esquerda pode ser tão oportunista como o CDS mas, ao contrário deste, para sobreviver tem de fugir da partilha ou do exercício do poder.

 

São tiros de pólvora seca instigados pelo pânico de quem vê a VERDADE ser trazida a lume, quer a sua VERDADE eleitoral interna, quer  a VERDADE das suas maquinações grotescas e ignóbeis na Comunicação Social recentemente expostas a nu para grande vergonha do Partido Social Democrata, dos seus fundadores e da sua história!

 

Para todos os que não tiveram oportunidade de ver deixo aqui o Frente a Frente Sócrates - Louçã, para que não reste qualquer sombra de dúvida...

em estéreo aqui


Por Ana Vidigal | Quinta-feira, 17 Setembro , 2009, 22:36

 


Por João Paulo Pedrosa | Quinta-feira, 17 Setembro , 2009, 00:27

O candidato escolhido pelo BE para presidir à câmara municipal de Pombal afirmou,numa entrevista a um jornal local, que os seus ídolos e referências políticas são, respectivamente, Paulo Portas e Cavaco Silva.  

Isto é o Bloco!

 


Por Carlos Manuel Castro | Sábado, 12 Setembro , 2009, 14:02

No campeonato que PCP e BE tanto gostam de disputar, ainda que não o assumam, o de quem ganha a esquerda à esquerda, o BE já ganhou este ano.

 

E não ganha por eleger mais ou menos deputados do que a CDU, mas sim pelo BE conseguir o que o PCP acanhadamente não assumia desde 1989: um amor pelos princípios da sovietização da sociedade.

 

A defesa de atentados à Liberdade individual, à propriedade privada (o princípio tanto se aplica aos grandes como aos pequeno e micro proprietários - afinal, trata-se de um roubo segundo os cânones ortodoxos), a importância das nacionalizações, nunca mereceram tanto brado no Portugal democrático pós-queda do Muro de Berlim como hoje.

 

A direita portuguesa demonstra não querer aprender nada com a actual crise mundial, mas a esquerda à esquerda do PS não quer entender por que falhou o modelo soviético.

tags: , ,

Por Sofia Loureiro dos Santos | Sexta-feira, 11 Setembro , 2009, 22:08

 

O debate entre Paulo Portas e Francisco Louçã foi um autêntico espectáculo, a raiar o circense, com os gráficos que Paulo Portas exibe, com a rapidez e perícia de um prestidigitador.

 

Houve demagogia e populismo quanto baste mas a prestação de Paulo Portas foi de tal maneira exagerada, com a história do General sentado em frente dele e do bater de porta em porta para lutar de forma titânica pelos empregos das OGMA, e a enumeração das coisas maravilhosas que fez a favor da pobreza e dos pensionistas que quase ofuscou Francisco Louçã.

 

Este, no meio do espectáculo, deu uma nota de seriedade na discussão da política de segurança e na política de imigração.

 

Enfim, um combate de gigantes mas que, penso eu, não vai modificar muito o sentido de voto dos indecisos. Mas claro, convém ouvir os comentadores da SIC-N e da RTP-N para termos a certeza do que devemos pensar.

 

Nota: Também aqui.

 


Por Paulo Ferreira | Sexta-feira, 11 Setembro , 2009, 15:52

O tema do "suponhamos" das "sensações" de escutas foi demasiado debatido, comentado, analisado e "manipulado",nas televisões, jornais e blogosfera,  para que seja aceitável, depois da acusação directa, concreta e definida de Francisco Louçã, não existir qualquer resposta por parte do Presidente da República.

Não faz sentido, mesmo num contexto de guerra aberta Belém - São Bento e de interferência dissimulada da Presidência na campanha politica partidária, que não exista um desmentido formal desta acusação.A não ser que não a consigam desmentir mesmo...

 


Por João Galamba | Quinta-feira, 10 Setembro , 2009, 15:06

O Carlos Santos tem dedicado alguns posts ao programa económico do Bloco. A série tem o título: A estagnação como resultado inevitável da política económica do Bloco: O fim do pequeno empresário. Até agora tem três partes (I, II, III).

 

Era importante que alguém ligado ao Bloco (militante ou apoiante) respondesse aos argumentos do Carlos. Ficamos à espera.


Por Eduardo Pitta | Quinta-feira, 10 Setembro , 2009, 11:36

O projecto do BE nunca me interessou. Sou dos que têm idade para se lembrar da UDP e do PSR. Et pour cause. Mas nunca mudei de canal quando Louçã falava. O estilo evangelista perdeu eficácia com a erosão do tempo, mas Louçã tinha-nos habituado a um módico de rigor. Isso acabou. As sondagens fizeram-no perder o pé. [...]

 

Ler o resto aqui.

 


Por Eduardo Graça | Quinta-feira, 10 Setembro , 2009, 10:22

 

AQUI deixo um testemunho pessoal acerca do memorável jantar de extinção do MES (Movimento de Esquerda Socialista) ao qual Ferreira Fernandes se refere, hoje, na sua crónica no DN:    
 
Quando o MES acabou (por lá passaram Sampaio e Ferro Rodrigues, entre outros) deu um jantar para anunciar: acabámos. O jantar limpou a cabecinha dos militantes, ajudou-os a fazer o luto de uma luta política, revolucionária, passando para outra, democrática (burguesa, diriam antes). Fez-lhes bem o jogo limpo: ontem íamos por ali, agora, vamos por aqui. Muitos deles foram depois ministros e patrões (o que antes combatiam radicalmente). Os que continuaram agarrados às antigas ideias chamarem-lhes vira-casacas, mas não puderam acusá-los de mentir na sua evolução. Não se passou o mesmo com o Bloco de Esquerda. Essencialmente, este é formado pelos trotskistas do PSR e os maoístas da UDP, correntes revolucionárias. Ora nem o PSR nem a UDP fizeram a proclamação política do seu fim, só deixaram estiolar as siglas.  Mas Francisco Louçã apresentou-se no debate com Sócrates assim: "Sou socialista, laico e republicano." Então, quando é que deixou cair o "revolucionário"? Não tenho dúvidas de que, no fundo, tenha deixado, e que talvez venha a ser ministro num governo a que chamaria burguês há poucos anos. Mas parece-me que lhe falta, a ele que dá tanta importância à ideologia, que o diga na teoria, antes de ser definitivamente comprovado, na prática, que mudou.
tags:

Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
arquivos
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.