Por Palmira F. Silva | Terça-feira, 04 Agosto , 2009, 14:57

Nos comentários ao post «In Rasgo Veritas», quer no SIMplex quer na jugular, tive oportunidade de reviver o passado e apreciar argumentos análogos aos que ouvi há mais de 15 anos quando tentava explicar aos nossos empresários por que deviam apostar na integração de mão de obra altamente qualificada nos quadros das suas empresas. Que teriam de pagar muito mais a um doutor ou mestre e isso retiraria emprego aos mais necessitados, que esses doutores poderiam saber muito teorica e tecnicamente mas o que interessava era a prática e para isso servia qualquer engenheiro técnico, sem os «vícios» (?)  da Universidade e com a subserviência aos seus superiores que um doutor nunca  teria. Por outro lado, argumentavam, quem nos garante que vamos ter retorno do investimento nesses doutores e mestres? A sua contratação seria um risco que as empresas não podiam, responsavelmente, assumir.

 

Essas conversas, infrutíferas, com empresários, aconteceram por iniciativa da  Associação de Estudantes Graduados do Técnico, constituída quasi exclusivamente por assistentes como eu - praticamente não existiam os bolseiros que hoje enchem as nossas universidades e as únicas pós-graduações de universo alargado eram os famosos MBAs, os mestrados em business e administração. Mas acreditávamos que, a médio ou longo prazo, os alunos de doutoramento, tal como acontecia nos países mais desenvolvidos,  viriam a constituir a maioria se não mesmo a totalidade dos alunos da nossa escola de pós-graduação (e hoje em dia temos cerca de 1000 bolseiros de doutoramento e muito poucos assistentes).  Esta previsão começou a concretizar-se mais cedo do que pensáramos ser possível, graças aos bons ofícios de  Mariano Gago à frente do recém criado ministério da Ciência e da Tecnologia e aos programas que tiraram Portugal do marasmo científico para que os anos de ditadura nos tinham empurrado.

 

Mas continua por concretizar a integração efectiva de mestres e doutores no tecido produtivo, algo que pensávamos ( e continuamos a pensar) ser condição sine qua non para nos tirar doutro marasmo, aqueloutro na base dos problemas estruturais da nossa economia que muitos carpem sem apresentarem soluções. Ou antes, modernissimamente,  pensam que é q.b. abanar com pessimismo a cabeça e esgrimir esses Problemas Estruturais para argumentar que é contraproducente tentar resolvê-los da forma gradual e consequente, apostando na formação qualificada  dos portugueses e investindo em empresas inovadoras (algumas de alto risco), por exemplo através do QREN

 

E assim temos assistido ao êxodo de «cérebros» que volta e meia é tema  na comunicação social e merece mais abanões  pessimistas de cabeças por parte de alguns fazedores de opinião mais à direita no espectro político, que apontam esta fuga como a prova provadinha de que é um desperdício do dinheiro dos contribuintes - que tira pão da boca dos pobrezinhos - apostar em qualificação avançada. E a reforma que urge para o nosso tecido produtivo tarda em efectivar-se. 

 

E o que há a fazer, por parte do Estado, é continuar as políticas de qualificação da mão de obra, investimento em ciência e em inovação em que apostou fortemente este governo, com alguns erros, é certo, que importa corrigir e disso dá indícios o programa do PS. Mas importa sobretudo que essa reforma permeie mentalidades e que deixemos de uma vez por todas, como sociedade, como Portugal que somos todos nós, de objecções à Velho do Restelo, de queixumes «No, we can't». Porque sem fazer nada de facto não vamos lá!


henrique pereira dos santos a 4 de Agosto de 2009 às 15:59
Cara Palmira,
Tenho pena que tenha preferido não responder à pergunta que fiz: se as justificações são ambientais, por que razão não se aplicam os dinheiros públicos (que insisto, apesar da sua ironia, nos deve merecer mais respeito que nenhum outro porque também é dinheiro de pobres) em transportes públicos (que até podem ser eléctricos, quer com recurso a bateris como estas, quer com recurso à construção de uma rede que reinvente os trolleys), opção não só ambientalmente mais favorável como socialmente muito mais justa que financiar a compra de carros às pessoas mais ricas?
Em vez disso preferiu chutar para canto procurando explicar como são atrasadinhas as pessoas que contestam esta opção.
Uma coisa é o Estado investir em ID, incluindo nas ditas baterias, no que estamos de acordo.
Outra coisa completamente diferente é o Estado pretender substituir os empresários, escolhendo alguns dentre eles, por critérios que se desconhecem, para ficar com o seu risco em troca dos seus investimentos.
Fosse um governo de Direita a fazer isto e tenho a certeza absoluta de que mais de três quartos dos bloggers do Simplex estaria a gritar contra as negociatas em que o Governo se mete para defender os interesses de grandes empresas com o dinheiro dos contribuintes, disfarçando a coisa com argumentos socialmente aceitáveis (como o ambiente) mas inegavelmente falsos.
henrique pereira dos santos
PS Algures nesta troca de argumentos, penso que nos comentários do primeiro post, Palmira Silva indica um link que suponho que pretende demonstrar que também o Governo americano está a fazer isto. Esqueceu-se de olhar bem para o processo descrito: um sistema de apoios a quaisquer empresas que se queiram candidatar para fazer projectos de ID na matéria. Confundir isso com um contrato de produção industrial para uma tecnologia não dominada com o objectivo de fazer diminuir o risco daquele empresário em concreto parece-me que não faz qualquer sentido.

Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
88 comentários
50 comentários
44 comentários
43 comentários
38 comentários
36 comentários
27 comentários
25 comentários
arquivos
pesquisar neste blog
 

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.