Por Sofia Loureiro dos Santos | Domingo, 13 Setembro , 2009, 15:52

 

 

Ontem acabaram os debates televisivos entre os líderes dos principais partidos políticos. Ao contrário do que esperava, pelo espartilho, pela forma e pelo tipo, foram muitíssimo interessantes.

 

Descontando a promoção feita pelas estações televisivas e rádios, como se estivessem a motivar as claques para os vários jogos de futebol, houve uma grande atenção aos debates, o que demonstra que as pessoas estão interessadas e preocupadas com o desfecho destas eleições, que estas eleições são sentidas como muito importantes, que há um regresso à disputa ideológica entre direita e esquerda tendo todos os protagonistas procurado explorar e acentuar os pontos de divergência.

 

Outro aspecto muito importante que esteve presente em toda a pré-campanha, antecedendo até estes meses eleitorais, foi a discussão da honestidade, do carácter, da seriedade e da credibilidade política dos líderes partidários e da forma como os seus partidos se posicionam em termos éticos, acentuado pela direita, mais precisamente pelo PSD. O distanciamento que Manuela Ferreira Leite pretende associar à política e aos políticos, colocando-se para além de todos os outros, numa imagem cara a Cavaco Silva e a outras personagens da nossa vida política, que insinuam e estendem a noção populista da desconfiança nessa coisa podre que é a política, não augura nada de bom, caso venha a triunfar.

 

Mas esse populismo foi também experimentado em grande escala pelo BE. Até nesse aspecto esta pré-campanha tem sido esclarecedora, pois desmontou a pose de superioridade moral da esquerda pura, grande e verdadeira, apocalíptica e solidária, imagem que se tinha colado à liderança de Francisco Louçã. Os episódios de Joana Amaral Dias e da concessão da auto-estrada do centro à Mota-Engil são apenas dois exemplos da forma de estar na política de Francisco Louçã.

 

Torna-se crucial que os partidos consigam mobilizar os cidadãos contra a abstenção. É indispensável que a participação cívica seja cada vez maior, mais animada, mais viva, mais discutida. À esquerda e à direita há que apelar ao voto. Não votar é colocar em causa a essência da própria democracia representativa.
 

Nota: Também aqui.

 


Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
88 comentários
50 comentários
44 comentários
43 comentários
38 comentários
36 comentários
27 comentários
25 comentários
arquivos
pesquisar neste blog
 

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.