Por Bruno Reis | Segunda-feira, 07 Setembro , 2009, 09:27

O facto do PSD basear a sua campanha na ideia de que é o detentor da Verdade diz tudo sobre a sua cultura democrática. (Aliás, um partido que tem como um dos seus principais dirigentes, ainda recentemente elogiado pela líder, Alberto João Jardim, tem credenciais claras neste campo.)

 

Mas há um ponto (já aqui referido) mas que nunca é demais enfatizar e que o PSD em nome dessa tão apregoada Verdade devia verdadeiramente esclarecer:

 

O Orçamento de Estado afinal é elástico para o PSD e para o PS não? Há rigor nas contas públicas com Manuel Ferreira Leite ou não? O dinheiro público dá para tudo ou não? Não percebo como é que não se pode fazer um TGV porque custa muito - apesar de até ser em parte pago, mas só se for feito agora, por fundos europeus. No entanto, o PSD pode perfeitamente transferir parte dos fundos do Estado para a saúde privada, para a educação privada ou para fundos de pensões privados sem que isso signifique uma subtração no dinheiro gasto nos Hospitais Públicos e nas Escolas Públicas e nas reformas de todos. Que matemática milagrosa é essa!?! Será que MFL tem poderes secretos? Como é que o PSD vai descer impostos (ou de certeza não os vai aumentar), garante manter os gastos nas reformas, na saúde e na educação públicas e ainda vai pagar a privados na saúde, na educação sem que o deficit vá aumentar? Repito que matemática milagrosa é essa? Em verdade me digam...

 

Convém que os professores (como eu) e aos médicos e os reformados que acham que ficarão melhor com o PSD meditem nesta matemática milagrosa. É que a mim ensinaram-me que em matemática, particularmente em matemática que envolva dinheiro, milagres é coisa que não existe (nem sequer almoços de graça). Mas talvez no PSD afinal ainda haja Pai Natal. Será que o sempre tão activo Rodrigo Adão da Fonseca nestas lides estará disposto a esclarecer a minha dúvida? Ou talvez a vestir-se de Pai Natal :)

tags: ,

henrique pereira dos santos a 7 de Setembro de 2009 às 12:42
Concluo portanto que o melhor seria termos todas as padarias nacionalizadas para não andarmos a pagar o pão a privados.
É isso?
henrique pereira dos santos

Eleitor a 7 de Setembro de 2009 às 13:28
MFL irá buscar o dinheiro ao mesmo sítio que Sócrates: aos contribuintes (podemos contar com aumento de impostos, ganhe quem ganhar).
MFL afirma ir distribui-lo pelas pequenas e médias empresas, Sócrates pelos mesmo de sempre (Mota Engil, etc.).
O problema é que a política assistencial de Sócrates não é sustentável muito mais tempo (mas com isso os "boys" não estarão preocupados)

joaninha a 7 de Setembro de 2009 às 16:12
A privatização da saúde, para acabar com a listas de espera, é gira: claro que se tiverem dinheiro ou o Estado pagar, os privados aceitam toda a gente de imediato. Se for para colar uns pensos ou desinfectar umas feridas, actuam rápido e cobram caro.
Se fôr para tratar de problemas oncológicos, SIDA ou semelhantes, despejam-nos no SNS (Serviço Nacional de Saúde) porque são tratamentos caros e eles não estão para isso.
Dinheiro para esta engenharia financeira? Mais impostos, Segurança Social na falência, falta de dinheiro para pagar aos reformados, estradas no caos como está neste momento a IP3 que liga Coimbra a Viseu e outras.
4 anos passam depressa, a Drª Manuela Ferreira Leite deixa mais uma vez o País nas miséria e sai a sorrir, querm cá ficar que resolva....como tem acontecido ao longo os últimos 30 anos.
Política de verdade.
Não falha!...

am a 7 de Setembro de 2009 às 17:26
"A privatização da saúde, para acabar com a listas de espera, é gira: claro que se tiverem dinheiro ou o Estado pagar, os privados aceitam toda a gente de imediato."

Qual é a surpresa? Os hospitais públicos são diferentes? Trabalham sem receberem dinheiro?

"Se for para colar uns pensos ou desinfectar umas feridas, actuam rápido e cobram caro."

Está muito enganada. É mais consultas de especialidade e cirurgias. Quanto aos preços, sabe quanto custam as consultas e cirurgias dos hospitais públicos? Já comparou?

Se fôr para tratar de problemas oncológicos, SIDA ou semelhantes, despejam-nos no SNS (Serviço Nacional de Saúde) porque são tratamentos caros e eles não estão para isso.

Os doentes é que não têm dinheiro e ninguém paga por eles. Mas se os tratamentos fossem pagos como nos hospitais públicos, com impostos, sabe que os doentes iam escolher muito democraticamente o melhor serviço, não sabe? Escandaliza-a pagar a privados com impostos? Não sei porquê. Os impostos servem para as pessoas terem saúde, educação e outras coisas. Se as obtêm em instituições públicas ou privadas não interessa nada. Ou melhor, só interessa a quem tem preconceitos ideológicos contra o público ou contra o privado.

"Dinheiro para esta engenharia financeira? Mais impostos, Segurança Social na falência, falta de dinheiro para pagar aos reformados, estradas no caos como está neste momento a IP3 que liga Coimbra a Viseu e outras."

Percebe-se. Mas, então, não digam mais do que isto: não, porque não há dinheiro; sabemos que o sistema público está no limite e que o sistema privado ainda tem muita elasticidade, mas o governo não tem mais dinheiro, que vá ao privado quem puder pagar. Como o SNS não tem uma capacidade ilimitada e não há mais dinheiro, formam-se listas de espera para todas as consultas e cirurgias. Mas o problema é outro, é se decidirmos dispor de mais algum dinheiro para devolver saúde aos portugueses, o que é mais rápido? Obter resposta do sistema público ou do privado? O Ministério da Saúde sabe que é do privado e ao mesmo preço do público.

"4 anos passam depressa, a Drª Manuela Ferreira Leite deixa mais uma vez o País nas miséria e sai a sorrir, querm cá ficar que resolva....como tem acontecido ao longo os últimos 30 anos."

Isto é traulitada pessoal, tipo de política que não interessa ao eleitor am.

Joaninha a 7 de Setembro de 2009 às 22:48
am é nome?
Senhora am
A resposta tem-na hoje:
no Hospital da Luz (privado) uma senhora fez um parto (dos tais com qualidade que os senhores defendem) e foi infectada (ou já entrou) com gripe A.
Como o Hospital da Luz não está preparado para a tratar, -o que é estranho, teve de ser transferida porque corria perigo de vida, para um Hospital do SNS e está em coma com prognóstico reservado.
Nega esta evidência?
Esta vida não vos interessa?
Ou teria sido transferida para as estatísticas, como vocês dizem?
comente!...

am a 8 de Setembro de 2009 às 00:14
Os que ficaram infectados no bloco do hospital de Faro morreram lá todos e não é por isso que os hospitais públicos deixam de ser hospitais de confiança.

am a 8 de Setembro de 2009 às 00:25
Alertado por si fui ler a notícia no site do Público
http://static.publico.clix.pt/dossiers/gripeA/noticia.aspx?id=1396995

Ministra lamenta caso de grávida que passou por dois hospitais antes de lhe ser diagnosticada gripe A
A ministra da Saúde lamentou hoje o caso de uma grávida de quase sete meses a quem foi detectada gripe A apenas após três idas a diferentes hospitais. O Rádio Clube Português (RCP) revelou hoje que a mulher, que tinha regressado de Angola na semana passada, passou por dois hospitais públicos e só à terceira vez, num hospital privado, é que a doença lhe foi diagnosticada. A criança nasceu prematuramente e está agora sob vigilância médica no Hospital Dona Estefânia.

"São situações que nós gostaríamos que não acontecessem mas eventualmente essa situação terá de ser analisada em função daquilo que são os sinais clínicos de validação e interpretação dessas situações", afirmou Ana Jorge em conferência de imprensa no Ministério da Saúde.

Segundo a ministra, a doente tinha um quadro sintomático que não foi identificado como sintoma gripal o que fez com que passasse por dois hospitais e que não fosse feito o diagnóstico. "Só quando houve agravamento dos sintomas é que foi mais compatível com a existência de um quadro gripal e foi validado como sendo gripe A", explicou a ministra, adiantando que a doente "tem uma situação grave".
Ana Jorge adiantou que neste momento existem em Portugal "nove situações graves [de gripe A] internadas, a grande maioria ainda nos cuidados intensivos com necessidade de ventilação assistida". O objectivo do Ministério da Saúde é que os hospitais estejam cada vez mais disponíveis para estas situações daí a orientação progressiva, a partir de agora, de abrir mais locais de atendimento à gripe fora dos hospitais.
A ministra da Saúde acrescentou ainda que, neste momento, os hospitais ainda não estão muito sobrecarregados com casos de gripe A, cuja média diária é de 100 a 150 novos diagnósticos.
"Não é por essa razão [sobrecarga] que neste momento as situações não podem ser identificadas. Todos os hospitais e profissionais de saúde têm conhecimentos e capacidade de fazer um diagnóstico clínico de uma síndrome gripal", frisou.

Segundo o RCP, aos primeiros sinais de gripe a mulher deslocou-se ao Hospital São Francisco Xavier. Dirigiu-se depois ao Hospital Amadora-Sintra, onde lhe foi prescrito o medicamento Ben-u-ron. Mais tarde, já com uma pneumonia e a necessitar de ventilação, chegou ao Hospital da Luz, uma instituição privada, onde foi finalmente diagnosticada com gripe A e só então foi encaminhada para o Hospital Curry Cabral, uma das unidades de referência, avança ainda o Rádio Clube.

O director da Unidade de Cuidados Intensivos do Curry Cabral, Luís Mourão, revelou à mesma rádio que a mulher continua internada com prognóstico reservado.

“O Hospital da Luz contactou directamente comigo na noite do dia 17 e combinei com o director clínico do hospital, o professor José Roquete, que no dia 18 de manhã nós avaliaríamos a nossa capacidade para receber essa doente nos cuidados intensivos (...)”, facto que acabou por acontecer.

Ainda não houve até ao momento nenhuma explicação oficial por parte do Hospital São Francisco Xavier nem do Hospital Amadora-Sintra para este sucedido, mas Luís Mourão indicou ao Rádio Clube que “as medidas terapêuticas que foram feitas à doente no Hospital da Luz foram as mais correctas”, considerando o clínico que a doença não poderia ter sido evitada mesmo com um “início de terapêutica eventualmente mais precoce”.


Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
88 comentários
50 comentários
44 comentários
43 comentários
38 comentários
36 comentários
27 comentários
25 comentários
arquivos
pesquisar neste blog
 

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.