Por Eduardo Pitta | Quinta-feira, 03 Setembro , 2009, 11:58

O advogado Jorge Bleck disse hoje ao Jornal de Negócios que o gabinete do primeiro-ministro tinha pressionado Alexandre Relvas, presidente do Instituto Francisco Sá-Carneiro, no Outono do ano passado. As alegadas pressões estariam relacionadas com a Logoplaste, empresa de que Relvas também é presidente. A Logoplaste tem ligações à REN, empresa pública que assegura o transporte de energia. A insinuação é de meridiana clareza. De acordo com Bleck, «pessoas próximas do primeiro-ministro disseram-lhe que convinha ser moderado».

 

Admitindo que isto tenha acontecido, por que razão Relvas não denunciou o facto no Outono do ano passado? E qual a necessidade de intermediação de Bleck? Fazendo-o a três semanas das eleições, temos de concluir que no Outono do ano passado aceitou as pressões. E agora, ressabiado, pediu a um amigo para intrigalhar. É isto a política de Verdade?

 


Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
88 comentários
50 comentários
44 comentários
43 comentários
38 comentários
36 comentários
27 comentários
25 comentários
arquivos
pesquisar neste blog
 

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.