Por João Galamba | Terça-feira, 01 Setembro , 2009, 14:17

O Rodrigo Adão da Fonseca escreve hoje, no Diário Económico, um artigo importante para perceber a estratégia económica do PSD. E a estratégia é: o governo não deve ter qualquer estratégia de desenvolvimento. Simples e claro. Mas errado, tendo em conta a situação económica e os desequilibrios estruturais do país.

 

Escreve o Rodrigo: "O PSD defende um modelo económico que desonera as empresas, em especial, as PME, mas num plano de igualdade de oportunidades, com medidas transversais que aproveitam a todos". O meu problema com esta passagem é que ela é neutra entre soctores de actividade e entre opções estratégicas, isto é, torna-se irrelevante se apoiamos empresas que produzam bens de elevado valor acrescentado, sectores com elevado potencial exportador, industrias que apostem em baixos salários ou industrias que pretendam investir em capital humano e na qualificação dos seus trabalhadores. O que o Rodrigo diz — e o PSD também — é que, de um ponto de vista político, não interessa o que as empresas façam, desde que se comportem como empresas. Esta estratégia — cega, indiferenciada — não responde de forma minimamente satisfatória a um desafio fundamental: como contribuir para mudar o paradigma produtivo português, demasiado dependente de baixos salários e de produtos com baixo valor acrescentado que tem sido o principal responsável pelo nosso atraso económico?



 

O problema é que melhorar a tesouraria das empresas, isto é, dar mais dinheiro às empresas, apesar de importante, não altera os incentivos que as empresas actualmente enfrentam e, por isso, nada faz para contribuir para uma alteração estrutural da economia portuguesa. É natural que um liberal como o Rodrigo defenda isto. Mas ser natural não significa que seja correcto: a estratégia liberal está longe de responder de forma satisfatória aos desafios económicos do país. É preciso recordar que dar mais dinheiro às empresas, sem alterar os seus incentivos, não contribui para aumentar o investimento ou requalificar os trabalhadores; limita-se a dizer: as empresas que façam o que bem lhes apetecer, pois a estratégia económica não tem qualquer dimensão pública. Mas isto é falso, pois, do ponto de vista do país, não é indiferente que as empresas apostem em baixos salários, em produtos de elevado valor acrescentado ou em renovar a frota automóvel dos seus administradores — as decisões económicas das empresas têm sempre consequências para a empresa e para todos nós.  Um país tem de ter políticas públicas que interfiram com as acções actuais das empresas, promovendo certas escolhas em detrimento de outras. Para tal, é fundamental que, recorrendo às palavras do Rodrigo, haja algum "dirigismo" e "distorção do mercado". Corrigir a balança de pagamentos, abandonar o paradigma económico que nos põe a concorrer com países como a China e a índia têm uma dimensão empresarial e política. Empresarial porque as empresas agem enquanto empresas, isto é — simplificando — maximizam o lucro, e política porque o contexto  favorece sempre certos tipo de actividades e não outras. Por tudo isto, é fundamental que o Estado procure criar condições que promovam e apostem em certo tipo de escolhas e decisões empresariais. Se isso é dirigismo, então eu sou pelo dirigismo. Eu e grande parte dos governos mundiais, já agora.  


 

portela menos 1 a 1 de Setembro de 2009 às 15:01
(...) tendo em conta a situação económica e os desequilibrios estruturais do país (...)

Pode ler-se aqui uma crítica aos últimos 34 anos de governação e aos partidos do "arco", ou estou a ser muito mauzinho?

pedro a 1 de Setembro de 2009 às 15:06
vivemos num país q tem sido governado por partidos de esquerda desde o 25 de abril (apesar da alternancia, esta tem sido mais nos nomes do q nas políticas!)
o "dirigismo" aqui defendido tem sido a "praxis" destas décadas..
n será já tempo de começar a olhar com um olhar critico para tanta boa intenção( n nego!) mas q n tem feito mais do q acentuar o nosso atraso!?

Zé dos Monte a 1 de Setembro de 2009 às 19:22
Por favor indique o link do artigo e não apenas o link do jornal - http://www.economico.pt/
Quando fala de renovação de frotas de automóveis está-se a referir à TAP - Sindicatos denunciam compra de automóveis para directores da TAP http://tv1.rtp.pt/noticias/index.php?headline=46&visual=9&tm=8&t=Sindicatos-denunciam-compra-de-automoveis-para-directores-da-TAP.rtp&article=269681&audios_page=554
Ou à Assembleia da República http://nortadas.blogspot.com/2009/04/esquerda-e-os-novos-carros-da.html
Relativamente aos salários baixos, não foi o que o governo do PS andou a promover "...O ministro, que acompanha o primeiro-ministro na visita à China, apelou ao investimento chinês em Portugal argumentando que os custos salariais são inferiores à média da União Europeia (UE) e têm uma menor pressão de aumento do que nos países do alargamento..." Publico 31.01.2007 http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1284175

Zé dos Montes a 1 de Setembro de 2009 às 21:26
Por favor indique o link do artigo e não apenas o link do jornal - http://www.economico.pt/
Quando fala de renovação de frotas de automóveis está-se a referir à TAP - Sindicatos denunciam compra de automóveis para directores da TAP http://tv1.rtp.pt/noticias/index.php?headline=46&visual=9&tm=8&t=Sindicatos-denunciam-compra-de-automoveis-para-directores-da-TAP.rtp&article=269681&audios_page=554
Ou à Assembleia da República http://nortadas.blogspot.com/2009/04/esquerda-e-os-novos-carros-da.html
Relativamente aos salários baixos, não foi o que o governo do PS andou a promover "...O ministro, que acompanha o primeiro-ministro na visita à China, apelou ao investimento chinês em Portugal argumentando que os custos salariais são inferiores à média da União Europeia (UE) e têm uma menor pressão de aumento do que nos países do alargamento..." Publico 31.01.2007 http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1284175

Ricardo Martins a 1 de Setembro de 2009 às 22:25
entretanto pela madeira...

http://is.gd/2LJJb

o Secretário Pessoal do Presidente do Governo Regional da Madeira vai-se gabando de ir colocando cartazes a menos de 2m de outros partidos (neste caso PS) de forma a oculta-los..

se repararem pode-se ver a aparecer em baixo um cartaz PS a dizer legislativas 2009...

país das bananas...


:s

Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
88 comentários
50 comentários
44 comentários
43 comentários
38 comentários
36 comentários
27 comentários
25 comentários
arquivos
pesquisar neste blog
 

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.