Por Eduardo Graça | Quarta-feira, 26 Agosto , 2009, 11:47

 

Há pressões em todo o lado, em todo o tempo e em qualquer lugar, função ou desempenho, público ou privado, íntimo ou social, o que há mais é pressão, desde a imperial ao café, desde o desempregado ao executivo de topo, dos alvores da manhã às profundidades da noite. Toda a gente faz pressão sobre toda a gente. Equipa que não pressione não ganha. Veja-se a diferença entre o FC Porto de (quase) todos os dias e os seus rivais de sempre. Assim que se adivinha que o adversário vai receber a bola já lá está quem lhe trave o passo. É assim na vida comum e na vida política.
 
Salazar que só andou uma vez de avião – Lisboa Porto sem volta – ao aterrar disse para quem o acompanhava que nunca mais! Aquele meio de transporte civil sofisticado, introduzido, em Portugal, por Humberto Delgado, com a criação da TAP, deve ter exercido uma tal pressão sobre o ditador que ele desistiu de voar. De tal forma que nunca visitou as colónias que só conhecia através de relatos e relatórios mas que, certamente, desde 1961 exerceram muita pressão sobre a sua vida. Mário Soares governou, em democracia, sob pressão: desde o PREC, passando pela intervenção do FMI, até ao processo de adesão de Portugal à União Europeia (de 1974 a 1985 – 11 anos!).
 
Nenhum governante – seja qual for o país, organismo ou função - está isento de sofrer fortes pressões. Nem qualquer profissional que se dedique, com afã, às missões que lhe cabem as exerce sem pressão. Sujeitos às mais altas pressões, na verdade, estão os titulares de altos cargos, em especial os políticos eleitos, em particular, através dos meios de comunicação social, com a televisão à cabeça. A novela, com enredo de espionagem, ainda em exibição, é mais do que um episódio de pressão. É desespero, não sei a causa.
 
Será que a direita em Portugal, nos últimos anos, perdeu influência nos centros de decisão, da finança à economia, da polis à inovação social, tecnológica …? Será isso que lhe dói? O PSD mostra-se incapaz de reinventar um ideário social-democrata e, longe de convencer a sua base natural de apoio, acolhe-se na busca de um consenso social negativo face ao programa político reformista do PS. Apresentará, certamente, propostas, que convém não subestimar, mas o essencial do seu programa pertence à esfera da “não inscrição”, ou seja, às insinuações do “governo sob suspeita”.
 
tags:

Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
88 comentários
50 comentários
44 comentários
43 comentários
38 comentários
36 comentários
27 comentários
25 comentários
arquivos
pesquisar neste blog
 

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.