Por Paulo Ferreira | Quarta-feira, 19 Agosto , 2009, 15:00

Em qualquer eleição discutem-se alternativas. Opõem-se ideologias e projectos, suportados em partidos políticos que escolhem, por diversos processos, candidatos. Estes programas e equipas são depois sufragados pelo corpo eleitoral.
Com base na informação disponível o eleitor vota, e investe nesse conjunto de ideias, propostas e pessoas. Para que a sua decisão seja a mais eficaz e proveitosa avalia a seriedade e qualidade das propostas em causa, procura prever os resultados da implementação dos programas e ainda reflectir sobre o passado de cada proponente.  
A crise que afecta todo o planeta, e que só encontra paralelo na Grande Depressão de 1929, exige que todos assumam as suas responsabilidades, em especial os eleitores. Para estes, as opções são claras: votar, abster-se, votar nulo ou em branco, deixando nestes três últimos casos a outros a decisão sobre o seu próprio futuro.
Ao decidirem votar, os eleitores podem analisar os resultados obtidos pelo actual Governo, considerando também as soluções propostas e atempadamente apresentadas no Programa de Governo pelo PS. Esta é uma alternativa clara, assumida e credível. É continuar o caminho das reformas e da modernização do país, um rumo com politicas progressistas a pensar no Futuro.
À esquerda do PS promete-se a tudo para a todos, a troco de nada, sem noção ou sentido de Estado; promovendo a guerra contra o PS por pura conveniência estratégica e instinto de sobrevivência, usando e abusando da política de terra queimada e assumindo  a fuga às responsabilidades do Poder e da governação, como o Diabo foge da Cruz. É uma alternativa nula.
À direita do PS, o CDS, que perdeu a oportunidade de crescer durante o mais conturbado período da história interna do PSD, suportado num discurso demagógico e demasiado populista, tenta ser imprescindível ao PSD. Apenas. É uma alternativa de outsourcing.
Por outro lado «este» PSD recorre a figuras dum passado longínquo e de má memória, acena com dados truncados e análises minimalistas, lança suspeições vagas e manipuladas, e queixa-se de tudo e de todos, especialmente de si próprio. É apenas uma caixa de ressonância do contrário do que o actual Governo diz, tentando que sem trabalho, sem mérito ou projecto digno desse nome, os silêncios entre cada gaffe da actual líder e a incapacidade de se comprometerem com soluções verdadeiramente concretas lhes traga o poder. É uma alternativa apenas pela negativa.
A alternativa que permite maior retorno do investimento é a que mantém o rumo da governação, adaptado à nova realidade que emerge da crise e assimilando as lições da legislatura agora finda.

 

(artigo publicado no Diário Económico)


Carlos Sousa a 19 de Agosto de 2009 às 15:10
mas esse não é o suplemento económico da "Acção Socialista"???

Carlos Dias Ferreira a 19 de Agosto de 2009 às 15:35
Paulo:
Uma constatação:
Julguei que o resultado das Europeias serviria para o PS ter aprendido alguma coisa e finalmente descesse à terra e olhasse para o país real e não o dos gabinetes de Lisboa.
Verifico que os dirigentes e seus seguidores continuam sem nada ter aprendido com a estrondosa derrota (43% em 2004, 26% em 2009).
Acredita que felizmente para o país o PS não é a única alternativa e essa do nós ou o caos já foi chão que deu uvas.
O país em 2009 está muito pior do que em 2005 basta ver as estatisticas (não se desculpem com a crise) elas não mentem.
O que nós Portugueses queremos é que se faça menos propaganda, se minta menos, que não existam tantas trapalhadas e se deixem de arrogâncias e tiques ditatoriais só faltava agora uma "policia de costumes" do regime dizendo o que se deve ou não fazer ou o que se pode ou não publicar.
Há alternativas e em 27 de Setembro a decisão será de todos nós tendo em conta uma verdade que é esta. Quem vai estar em "julgamento" são as politicas deste governo e não as da oposição e após isso cá estaremos a dar os parabéns aos vencedores e esperar que avancem nas soluções para os problemas do país, seja a vitória do PS ou do PSD, essa é que é a verdade, ou não será?

Mário Cruz a 19 de Agosto de 2009 às 19:37
Engano seu, Paulo. Não estamos perante uma mera eleição, estamos sim perante a tentativa de reeleição do Sr. José Sócrates. Dava-lhe jeito partir agora do zero e começar tudo de novo, esquecendo o que não foi feito ou foi mal feito.

Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
88 comentários
50 comentários
44 comentários
43 comentários
38 comentários
36 comentários
27 comentários
25 comentários
arquivos
pesquisar neste blog
 

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.