Por José Reis Santos | Sexta-feira, 14 Agosto , 2009, 19:55

O sucesso do Simplex e a recente moda das blogconf levou recentemente a que a imprensa tradicional dedicasse mais atenção ao ocorre na blogosfera. O interesse não é de agora, entenda-se (basta recordar a quantidade de articulistas da praça que vieram dos blogues). Agora é apenas mais intenso e complexo. Hoje promovem-se conferências políticas só para blogues, com transmissão online. Hoje há blogues que preenchem páginas de jornais diários, alguns de grande responsabilidade – como o caso do Diário Económico; e foram já várias as reportagens especiais publicadas sobre o tema, do Diário de Notícias à Sábado ou ao Expresso. A verdade é que está na moda explorar a blogosfera política.

Foi isso que a revista Visão fez, no seu último número, e para tal requereu alguns comentários junto de um conjunto alargado e plural de jovens intelectuais (e blogers). Entre eles estava o Rui Tavares, e as suas declarações caíram mal a alguns. Vamos por partes.

Em teoria, o que o Rui disse é verdade. Há realmente quem se aproveite do espaço que conquista na blogosfera para promoção pessoal. Há também quem não se consiga afastar dos discursos oficiais dos partidos que representam ou dizem/julgam representar. Há ainda quem goste tanto do som da sua voz, da cor da sua escrita que – esses sim – devem escrever e declamar rodeados de espelhos e acólitos. Há ainda quem não encaixe em nenhuma destas tipologias, e se limite a «ser ele mesmo», e escrever sobre o que lhe interessa. Há de tudo, portanto. É uma questão de cabeça e de carapuça, e de interpretação.

Eu pessoalmente estou convencido que o Rui tinha um alvo definido quando lhe foi solicitada a opinião. Diz o artigo da Visão, citando o Rui Tavares: «os blogues de apoio a partidos têm "a doença comum do aparelhismo partidário": "São escritos por pessoas interessadas nas suas carreiras políticas e destinam-se a ser lidos como a voz do dono, transformando vozes próprias em deputados de terceira fila."». Referia-se, como me parece óbvio, ao caso do Jamais. Eles sim, simples correias de transmissão, mal oleada, de uma voz se nexo e propósito. Eles sim, representam a interpretação primária da política 2.0. Reúnem um conjunto de acólitos em torno de um não-projecto.

Aqui no Simplex, tocamos numa outra partitura. Aqui a qualidade da nossa pluralidade é mandamento. Não obstante irmos todos votar PS em Setembro, são muito poucas as vidas que daqui se cruzam com a do Partido (e eu até sou uma dessas). Por isso não entendi, na altura, o que o Rogério escreveu sobre o Rui; assim como não entendo o que o Bruno hoje escreve, sobre o mesmo assunto. Não entendo a necessidade que tiverem de se virem justificar, não entendo como não decifraram o destinatário da declaração, e não entendo ainda como não vem na pessoa (e na personna) do Rui um elemento nosso, e o trataram como um «deles» (sejam «eles» o que forem).

O Rui, e com isto termino, faz parte da um grupo sociológico cada vez mais consistente que gravita entre a «ala direita» do bloco e a «ala esquerda» do PS. Um grupo progressista - se quisermos - que procura promover em Portugal, como um discurso de exigência, as reformas necessárias que permitam que mais gente viva melhor, com mais igualdade de oportunidades, mais direitos, liberdade e cosmopolitismo (frase do Miguel Vale de Almeida, segunda-feira no DE). O Rui é, portanto, um dos nossos, e não «deles». Pode não ir votar PS, mas não me importo. Importo-me mais com o que tenho com ele em comum (que é muito), do que dele me separa (que, por vezes, nem é assim tanto).

Bem sei que ainda somos uma democracia jovem, uma meia-democracia, como refere o Bruno Reis, mas temos de perder a mania de por tudo nos picarmos e de tudo nos defendermos. São muitos os casos em que – em política – nos agarramos ao que nos separa, e não ao que nos une; e, apesar da política partidária viver em torno do que nos afasta, a política para o país tem de ser construída em torno do que nos agrega. No resto, venha de lá essa carapuça.


zedeportugal a 14 de Agosto de 2009 às 20:53
O sucesso do Simplex e a recente moda das blogconf levou recentemente a que a imprensa tradicional dedicasse mais atenção ao ocorre na blogosfera.

Presunção e água benta, cada um toma a que quer.
(provérbio popular português)

Rogério Costa Pereira a 14 de Agosto de 2009 às 21:49
(e eu que pensava que era chinês, o provérbio)

Ana Vidigal a 14 de Agosto de 2009 às 22:09

推定和圣水,其中每一项都需要
e este zedeportugal (que original) conhece?

Rogério Costa Pereira a 14 de Agosto de 2009 às 21:48
Só tenho uma coisa a dizer, Zé, este post é bem a imagem do que nos distingue do jamé. E, assim sendo, talvez tenhas razão na leitura que fazes. Torço para que sim. Assim como torço para que o Rui tenha aprendido a lição: alguém como ele não se pode limitar a 15 de minutos de conversa com os jornalistas e eles que escolham o que quiserem.

horacio a 15 de Agosto de 2009 às 00:59
Grande lata do autor:
"Referia-se, como me parece óbvio, ao caso do Jamais. Eles sim, simples correias de transmissão, mal oleada, de uma voz se nexo e propósito. Eles sim, representam a interpretação primária da política 2.0. Reúnem um conjunto de acólitos em torno de um não-projecto."

Se me contassem eu não acreditava. E continua:
" Não obstante irmos todos votar PS em Setembro"

Este articulista é um lambe botas descarado, candidato a algum lugar junto do poder. Ao que isto chegou...



Paulo Ferreira a 15 de Agosto de 2009 às 01:07
excelente post Zé, bom enquadramento e contextualização de uma entrevista alheia que pode mesmo ter sido mal interpretada.Acredito em ti e faço votos para que o Rui Tavares ajude a ala direita do BE a impedir o movimento/partido de seguir o mesmo caminho do antigo partido de alguns dos seus fundadores....o PCP!

( a expressão "ala direita do BE" causa mesmo perplexidade,eheheheheh)

Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
88 comentários
50 comentários
44 comentários
43 comentários
38 comentários
36 comentários
27 comentários
25 comentários
arquivos
pesquisar neste blog
 

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.