Por Carlos Manuel Castro | Domingo, 09 Agosto , 2009, 23:33

Se há dias referi o início da construção da auto-estrada entre Bragança e Vila Real, como uma das boas marcas de investimento no interior do País deste mandato, dos últimos quatro anos fica bem patente um forte investimento num distrito do litoral, de grandes potencialidades mas ainda marcado por várias fragilidades: Setúbal.

 

Se a decisão de localizar o futuro aeroporto, em Alcochete (apesar de ficar entre os concelhos do Montijo e Benavente), é um dos principais pontos, não menos importante é a projecção da nova travessia do Tejo, que vai retirar os municípios do Barreiro e da Moita da encruzilhada geográfica, em termos de acessibilidades, em que se encontravam há décadas.

 

Ainda no norte do distrito, destaque para a abertura, por empenho deste Governo, do há muito pretendido Metro Transportes do Sul, a funcionar em Almada e Seixal e já tem prevista ampliação.

 

No centro, mais propriamente em Palmela, realce para a determinação do Ministério da Economia em manter a Auto-Europa em Portugal, uma das nossas pérolas industriais, bem como a sul, em Sines, a aposta no porto, que se quer de excelência mundial.

 

Há quem não queira ver marcas deste mandato governativo, em especial o PCP, que domina o Poder Local neste distrito, mas a obra e as marcas estão bem à vista de todos nós: emprego, riqueza, competitividade, mobilidade, acessibilidades.

 

P.S.- Outros investimentos no distrito, apostando na melhoria das acessibilidades.


henrique pereira dos santos a 10 de Agosto de 2009 às 10:05
Este post é muito interessante.
Começa na decisão de localização do aeroporto, como marca da governação, quando foi uma imposição da sociedade ao Governo (e veremos, que ainda a procissão vai no adro, se não é ressuscitada a solução Portela mais um).
Continua na nova ponte rodoviária sobre o Tejo (que ao contrário do seria normal o post valoriza com o argumento de que vai retirar o Barreiro e a Moita da encruzilhada em que estão em vez de valorizar a mobilidade sustentável induzida pela sua valência ferroviária) que vai aumentar a insustentabilidade e o caos do trânsito de e para Lisboa.
Passa pelo Metro ao Sul do Tejo que não comento por não conhecer o processo com suficiente detalhe, mas tenho ideia de que é um projecto que vem de muito antes deste Governo.
Entra depois no discurso demagógico de que a manutenção da Autoeuropa é uma responsabilidade do Governo (sem perceber que isso implica dizer que o fecho da Quimonda e muitas outras é também uma responsabilidade do Governo, o que manifestamente não é verdade).
E termina no porto de Sines, um projecto dos anos finais do Estado Novo.
Será que é sensato e razoável usar estes discursos panegíricos de apoio ao Governo, como se os leitores não tivessem capacidade crítica?
henrique pereira dos santos
PS Já que se fala no porto de Sines, o Governo colocou em discussão pública a avaliação ambiental estratégico do Plano Estratégico de Transportes. Algures num parecer de uma ONG faz-se referência à falta de articulação entre as alta velocidade e os portos nacionais. Alguém pode dar alguma informação sobre isto?

Carlos Manuel Castro a 10 de Agosto de 2009 às 12:02
Aeroporto: sempre fui dos que considerei melhor para o País localizar o aeroporto na margem sul do Tejo, mesmo quando a Ota estava a ser considerada como o novo destino. http://tugir.blogspot.com/search/label/Aeroporto
E queira reconhecer, ou não, a decisão foi do Governo.

Nova travessia do Tejo: como bem refere, não destaquei aqui a via ferroviária, já a realçara noutro espaço: http://camaradecomuns.blogs.sapo.pt/691304.html; a lógica deste texto versa sobre o desenvolvimento de vários concelhos do distrito, sujeitos a várias dificuldades, no caso do Barreiro e da Moita pelos argumentos já referidos.

MST: há muito sonhado e pretendido, o Metro é hoje uma realidade, por este Governo ter assumido o que outros não fizeram.

Auto-Europa: trazer à colacção o caso da Quimonda, é querer tapar o sol com a peneira no caso desta fábrica de Palmela. O Governo tudo fez para manter a Quimonda activa, não conseguiu. No caso da Auto-Europa, teve um papel importante, em manter um dos principais pólos do nosso País.

Sines: Qual é o mal do porto ser da época do Estado Novo? Por essa ordem de razões também se destruiria a ponte sobre o Tejo? Ora, sejamos objectivos e reconheça-se que estão a criar-se condições para termos um dos portos mais competitivos a nível mundial.

Quanto ao Plano Estratégico de Transportes, a sua consulta pública terminou na semana passada: http://www.portugal.gov.pt/pt/GC17/ConsultaPublica/Pages/20090625_Consulta_PET.aspx

henrique pereira dos santos a 10 de Agosto de 2009 às 14:20
Sim, com certeza que a decisão de mudar para a Alcochete a localização do aeroporto foi do Governo, mas considerar isso como uma marca do Governo, depois do que aconteceu, é apelar ao voto nos seus adversários.
Não percebi o argumento da valência rodoviária da ponte Chelas Barreiro.
Não percebi o que este Governo fez que outros não tenham feito em relação ao metro so Sul do Tejo.
Quando chamei a Quimonda (e todas as outras empresas que entretanto faliram) foi apenas para vincar que dificilmente são os governos que mantêm as fábricas abertas (e quando as mantêm artificialmente abertas quando deviam falir ainda pior). É excessivo querer os louros da manutenção (ou da falência) de empresas para os governos, porque quem as mantém abertas são as suas administrações e os seus trabalhadores.
Não há problema nenhum em o porto de Sines ser do Estado Novo, o problema é querer transmitir a ideia de que o porto de Sines é uma marca deste Governo.
Eu sei que a consulta pública do plano estratégico de transportes acabou na semana passada, o que perguntei é se alguém sabia da articulação entre os portos e a alta velocidade.
Sejamos objectivos, como pede, mas é difícil quando o que falha é atribuído ao destino e tudo o que mexe é da responsabilidade do Governo.
Conhece com certeza a história da coruja a quem a águia devia um favor. Por isso a coruja pediu-lhe para não comer os seus filhos, ao que a águia acedeu. Mas a descrição da coruja foi tão favorável que a águia os comeu porque não os reconheceu na descrição da mãe.
Este post (e muitos outros no simplex) são como as descrições que a coruja fez dos filhos: muito ternas e dignas mas tão fora da realidade que os eleitores não reconhecem de que governo e de que país estão a falar.
henrique pereira dos santos

António da Costa a 10 de Agosto de 2009 às 10:57
Eu como apoiante do PS e morador no Distrito de Setúbal gostaria que tudo isto fosse verdade, no entanto parte das obras que enumera não passam de meras intenções, no papel tudo é bonito, Aeroporto, 3ª Travessia, Alargamento do Porto de Sines e Ampliação do Metro de Superfície são obras que irão fazer a diferença, SE, e aqui é que a porca torce o rabo, SE.

Carlos Manuel Castro a 10 de Agosto de 2009 às 12:08
No papel é tudo bonito? Se não estivesse no papel, seguramente não se faria. Roma e Pavia não se fizeram num dia!
E quanto ao Metro, como sabe, é uma realidade por causa deste mandato governativo.
Como em Lisboa ou no Porto, a sua rede precisa de expandir, para servir mais pessoas e localidades.

António da Costa a 10 de Agosto de 2009 às 14:14
Sabe à quanto tempo se fala no alargamento do Porto de Sines? desde o 1º Governo de Guterres.

Sabe para que data estava marcada a chegada da linha do Metro de Superfície a Coina? no inicio do ano 2010.

Para não falar na 3ª Travessia que ainda não se sabe bem onde começa e onde acaba, Existem estudos mas nada é definitivo, no entanto à mais de uma década que se fala nesta travessia.

Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
88 comentários
50 comentários
44 comentários
43 comentários
38 comentários
36 comentários
27 comentários
25 comentários
arquivos
pesquisar neste blog
 

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.