Por José Reis Santos | Segunda-feira, 26 Outubro , 2009, 13:24

 

Hoje tomou posse o XVIII Governo Constitucional. Um governo liderado por José Sócrates que, depois do resultado das eleições legislativas de 27 de Setembro, foi indigitado pelo Presidente da República a apresentar solução governativa. Essa era a intenção do Simplex, quando publicámos o nosso primeiro post no dia 20 de Julho. Nesse dia apresentámos no nosso manifesto inicial as nossas intenções em defesa do projecto que o PS tinha colocado em marcha quatro anos e meio antes.

 

A este post seguir-se-iam mais 1285, publicados por uma equipa de 40 autores; uns conhecidos bloggistas, outros estreantes nestas andanças; uns militantes do Partido Socialista, outros (muitos) independentes; uns ilustres figuras das nossas praças públicas, outros desconhecidos do grande público. A nós nada disso interessou. Quem tinha ou não cartão, quem tinha ou não visibilidade, quem tinha ou não cargo A ou B. Interessava promover o debate político – sempre de forma crítica e construtiva – e defender o projecto político que, em nossa opinião, melhor defendia o progresso para o País – o projecto do PS.
Nos dois meses de existência na blogosfera a defender o voto no Partido Socialista atraímos mais de 200.000 visitas, publicámos 1285 posts que suscitaram 6645 comentários. Conseguimos entrar e ganhar o debate político na blogosfera portuguesa (continuamente dominada pela direita e pela extrema esquerda) e fomos mesmo uma das atracções da campanha eleitoral.
Hoje este projecto finda. A tomada de posse do XVIII Governo Constitucional materializa e consagra as nossas intenções. Atingimos o objectivo a que nos propusemos. Plenamente.
Assim, resta agradecer a todos os quantos tornaram isto possível, a todos os nossos leitores e comentadores e à nossa extensa equipa (Ana Paula Fitas, Ana Vidigal, André Couto, Bruno Reis, Carlos Manuel Castro, Carlos Santos, Diogo Moreira, Eduardo Graça, Eduardo Pitta, Gonçalo Pires, Guilherme W. Oliveira Martins, Hugo Costa, Hugo Mendes, Hugo Sousa, Irene Pimentel, José Reis Santos, João Coisas, João Constâncio, João Galamba, João Paulo Pedrosa, João Pinto e Castro, Leonel Moura, Luís Novaes Tito, Mariana Vieira da Silva, Miguel Abrantes, Miguel Vale de Almeida, O Jumento, Palmira F. Silva, Paulo Ferreira, Pedro Adão e Silva, Pedro Aires Oliveira, Porfírio Silva, Rogério da Costa Pereira, Rui Herbon, Rui Pedro Nascimento, Simplex, Sofia Loureiro dos Santos, Tiago Barbosa Ribeiro, Tiago Julião Neves, Tomás Vasques e Vera Santana). 
Por fim, e como não podia deixar de ser, deixamos a composição do XVIII Governo Constitucional:
Primeiro-Ministro: José Sócrates
Ministro da Presidência: Pedro Silva Pereira
Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros: Luís Amado
Ministro de Estado e das Finanças e da Administração Pública: Fernando Teixeira dos Santos
Ministro da Defesa Nacional: Augusto Santos Silva
Ministro da Administração Interna: Rui Pereira
Ministro da Justiça: Alberto Martins
Ministra do Ambiente e do Ordenamento do Território: Dulce Pássaro
Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento: José Vieira da Silva
Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas: António Serrano
Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações: António Mendonça
Ministra do Trabalho e da Solidariedade Social: Maria Helena André
Ministra da Saúde: Ana Maria Teodoro Jorge
Ministra da Educação: Isabel Alçada
Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior: Mariano Gago
Ministra da Cultura: Gabriela Canavilhas
Ministro dos Assuntos Parlamentares: Jorge Lacão
 
Ana Paula Fitas, Ana Vidigal, André Couto, Carlos Manuel Castro, Carlos Santos, Eduardo Graça, Eduardo Pitta, Guilherme W. Oliveira Martins, Hugo Mendes, Irene Pimentel, José Reis Santos, Luís Novaes Tito, Mariana Vieira da Silva, Miguel Abrantes, O Jumento, Paulo Ferreira, Porfírio Silva, Rui Herbon, Rui Pedro Nascimento, Sofia Loureiro dos Santos, Palmira Silva, Tomas Vasques. João Constâncio, Miguel Vale de Almeida, Tiago Julião.  

Por Carlos Manuel Castro | Terça-feira, 29 Setembro , 2009, 11:36

O SIMPLEX foi um espaço de grande qualidade e total abertura. Diálogo intenso, como uma eleição requer. 

 

As legislativas tiveram um desfecho inequívoco, com a vitória do PS. E este blog atingiu o seu principal objectivo, contribuir para o triunfo socialista no País.

 

Agora, surgem novos desafios e o próximo começa hoje. Objectivo? É simplex: promover a qualidade de vida e o bem-estar dos munícipes dos 308 concelhos de Portugal.

 

Arranco hoje com uma campanha que tem tanto de aliciante como de elevada responsabilidade, afinal Lisboa, e o Chiado, merecem Excelência.    

 

Oxalá o sucesso seja igual ao do SIMPLEX!

tags:

Por Miguel Vale de Almeida | Terça-feira, 29 Setembro , 2009, 09:26

Ponto um: o PS ganha e tem um programa para cumprir

Ponto dois: O PS ganha mas sem maioria absoluta

Ponto três: PSD e CDS têm, juntos, mais deputados do que o PS

Ponto quatro: há maioria de esquerda, apesar de as esquerdas estarem tão divididas

Ponto cinco: um acordo de coligação com o CDS seria trágico e contrário à vontade dos eleitores - do PS, dos eleitores habituais do PS que se deslocaram para o Bloco e da maioria de esquerda nacional. Idem para o bloco central.

Ponto seis: no mundo ideal, um governo de esquerda seria bom. Mas as nossas esquerdas estão demasiados cindidas.

Ponto sete:  numa democracia madura pode-se governar em minoria com acordos pontuais com todos os partidos, dependendo das matérias. Na actual situação (e o que há é o que há, resultante do voto popular) esta é a melhor situação

Ponto oito: seguem-se eleições autárquicas e daqui a dois anos presidenciais. Vai ser uma legislatura de negociação, esperando-se assim a dignificação do Parlamento

Ponto nove: a situação não é fácil e as próximas semanas vão ser tão difíceis como a campanha que acabou e a que agora começou. Vamos conversar. Vamos trabalhar.

Ponto dez (e mais da minha praia): Portugal tem agora uma maioria clara no Parlamento a favor da igualdade no acesso ao casamento civil.


Por Sofia Loureiro dos Santos | Segunda-feira, 28 Setembro , 2009, 15:13

 

 

Apesar de tardarem os prometidos cargos, as devidas prebendas e os mais que certos ganhos, sabe-se lá em que géneros ou moeda, que muitos bloguers e comentadores afirmaram que estariam à minha espera, não me arrependo de ter feito parte deste projecto SIMpleX.

 

Aqui nos cruzámos provenientes de várias profissões e áreas políticas com um objecto: intervir civicamente na campanha eleitoral de forma a motivar as pessoas a votarem no Partido Socialista.

 

O PS ganhou esta batalha e muitas outras se avizinham. Desde a constituição do governo às difíceis negociações parlamentares que se adivinham nesta próxima legislatura, os tempos que aí vêm pronunciam-se difíceis, exigentes, mas muito interessantes.

 

Às vezes com dificuldade, porque a revolta perante comentários abjectos e provocações estúpidas era impetuosa, este foi um espaço de liberdade e de discussão de políticas, ideias, defesa da governação anterior e exposição de alternativas pouco credíveis ou mesmo inexistentes que, espero, tenha contribuído para o esclarecimento de quem nos leu.

 

A todos os colegas do SIMpleX agradeço esta partilha e, quem sabe, talvez nos encontremos noutras lutas.

 

Nota: Também aqui.
 

tags:

Por João Coisas | Segunda-feira, 28 Setembro , 2009, 15:10


Por Eduardo Graça | Segunda-feira, 28 Setembro , 2009, 14:49

 

Foi um gosto e um prazer ter conhecido esta equipa que se reuniu em torno do SIMPLEX. Quer-me parecer que ainda há muita gente, mesmo alguns alcandorados nas proximidades do poder, que não entenderam a importância da blogosfera no combate político e, em geral, no exercício de uma cidadania activa. Mal deles e, ainda mais, dos chefes que lhes dêem ouvidos. Não é o caso, felizmente, de José Sócrates. Pela parte que me toca gosto de partilhar projectos que misturem gente de diversas gerações e sortidas maneiras de sentir e pensar. Foi o caso do SIMPLEX. Não cito nomes pois todas, e todos, mesmo os que não cheguei a conhecer pessoalmente, me incitaram, através do seu testemunho, a persistir no caminho da luta pela liberdade e pela democracia. Aqui vos deixo um abraço e a minha saudação fraterna. A nossa disponibilidade para, de forma voluntária, nos envolvermos na defesa de uma causa justa que, apesar de todas as dificuldades, saiu vencedora será, para todo o sempre, um gesto incompreensível para os fanáticos de todos os credos. Saímos, tal como entramos, de consciência tranquila deste projecto, como sói dizer-se, com o dever cumprido. AQUI lhes deixo uma primeira reflexão ainda pertença desta seara.  
tags:

Por Irene Pimentel | Segunda-feira, 28 Setembro , 2009, 13:10

Caros companheiros «simplex»

Foi um enorme prazer conhecer-vos e actuar convosco.

Até uma próxima luta neste terreno que é o da democracia!


Por O Jumento | Segunda-feira, 28 Setembro , 2009, 00:53


Por Luis Novaes Tito | Segunda-feira, 28 Setembro , 2009, 00:50
Bandeira PortugalPara quem ainda tinha dúvidas fica a constatação. O PS ganhou as eleições. A comprová-lo está o facto do Presidente da República vir a convidar Sócrates para formar o próximo Governo.
 
Para quem ainda tinha dúvidas fica a constatação. O PSD perdeu as eleições. Não só para o PS, como para o CDS/PP. A demagogia da mentira da verdade, o conservadorismo de Ferreira Leite, a intriga, a conspiração, a maledicência, a falsidade e a arrogância foram fortemente penalizados pelos eleitores.
 
Para quem ainda tinha dúvidas fica a constatação. O CDS/PP ganhou o prestígio da direita que há mais de duas décadas não tinha. Derrotou o PSD retirando-lhe uma boa fatia do eleitorado, contribuiu para esvaziar a maioria absoluta ao Partido Socialista e marcou a diferença entre a direita civilizada e a outra que estava convencida que tudo valia para atingir os seus fins.
 
Para quem ainda tinha dúvidas fica a constatação. O BE ganhou o prestígio da extrema-esquerda. Nunca em Portugal, nem sequer no tempo do PREC, a extrema-esquerda tinha conseguido tão bons resultados. Passou o PCP em importância e implementação, contribuiu para retirar a maioria absoluta ao Partido Socialista e demonstrou que o enquistamento do PCP num modelo recusado em todo o Mundo é o corolário das doutrinas retrógradas que os comunistas insistem em considerar como válidas.
 
Para quem ainda tinha dúvidas fica a constatação. O PCP é o grande derrotado da esquerda. Perdeu posições para todos, deixou de ser a referência da esquerda das esquerdas.
 
Para quem ainda tinha dúvidas fica a constatação. A democracia é, continua a ser, o regime de preferência da esmagadora maioria dos portugueses. Derrota os abstencionistas, derrota a extrema-direita, derrota os defensores do não-voto. Confirma que o poder está nas nossas mãos, ainda que seja só no momento das escolhas.
 

Simultaneamente publicado nos: a Barbearia do Senhor Luís (a minha casa); SIMpleX (de quem me despeço já com saudades); Eleições2009/o Público (onde ainda faltam as autárquicas); Cão com tu (onde estarei em força após os períodos eleitorais) e numa outra coisinha que ainda não posso divulgar (mas falta pouco para o fazer).

sinto-me:

Por Sofia Loureiro dos Santos | Domingo, 27 Setembro , 2009, 22:52

 

 

Ao contrário do que algumas pessoas querem fazer crer, como Francisco Louçã, o PS ganhou as eleições e ganhou-as com bastante folga, a confirmarem-se as projecções eleitorais. Não vale a pena vir agora tentar minorar essa realidade pelo facto de o PS ter perdido a maioria absoluta.

 

O PS ganhou e inequivocamente, com uma maioria que lhe permite formar um governo minoritário.

 

O PSD perdeu irremediavelmente as eleições. Tudo calhou mal, desde a famigerada asfixia democrática, até aos debates perdidos e à falta de discussão política, culminando no desastroso caso das escutas, Manuela Ferreira Leite perdeu as eleições.

 

Francisco Loução e Paulo Portas saem vencedores, aumentando ambos em número de votos e de deputados, capitalizaram os votos dos descontentes do PS e do PSD.

 

Outro derrotado da noite foi o PCP. Não pelo número de votos mas pelo facto de ter sido ultrapassado pelo BE e pelo PP.

 

O último grande derrotado da noite foi Cavaco Silva. Aguardamos impacientes a famosa declaração de esclarecimento dos enredos em que se enredou.

 

E agora Sr. Primeiro-ministro? Vamos ao trabalho, todos, o mais que pudermos, vamos ao diálogo e a determinação, vamos avançar. Foi para isso que lhe demos, de novo, a nossa confiança.

 

Nota: Também aqui.

 


Por O Jumento | Domingo, 27 Setembro , 2009, 20:30

 


Por O Jumento | Domingo, 27 Setembro , 2009, 20:24

  


Por Ana Vidigal | Domingo, 27 Setembro , 2009, 20:00

 


Por Luis Novaes Tito | Domingo, 27 Setembro , 2009, 19:54

Logo LegislativasLogo Eleições 2009 

 

 

 

 

 

Para acompanhar os resultados eleitorais na Net a partir das 20:00 horas:

http://www.legislativas2009.mj.pt/index.html

 


Por Simplex | Sexta-feira, 25 Setembro , 2009, 23:59

No domingo vamos votar PS. São várias as razões deste voto. Defendemos acima de tudo a liberdade, e esta mede-se pela capacidade de garantir progresso social e económico; a diversidade de opções e escolhas; o reconhecimento e os direitos das minorias. Somos ainda pela inovação, pelo conhecimento, pela capacidade inventiva e criadora, pela sustentabilidade energética, pela ecologia. Somos por um país que mede o seu valor pelo que faz agora pelos seus cidadãos e pelas suas cidadãs, nascidos ou não aqui, falantes ou não de português.


Apesar das razões do nosso apoio ao Partido Socialista serem muito diferentes estamos dispostos a apresentar um voto de confiança; assumido e partilhando sem complexos uma visão crítica e construtiva da política e do país. Queremos um país moderno com perspectivas de progresso. Vemos no PS a capacidade de mudança e modernização. Sem a tentação miserabilista e tacanha da direita e as utopias irresponsáveis da extrema-esquerda.

 

Queremos, em suma, que o Partido Socialista ganhe as eleições de 27 de Setembro próximo, de preferência com maioria absoluta. Só ele pode contribuir decisivamente para que Portugal se mantenha na vanguarda política do século XXI.

tags:

Por Tiago Barbosa Ribeiro | Sexta-feira, 25 Setembro , 2009, 23:55

«Muitos temos assistido esta como outras campanhas no passado.

E sempre vamos deitando o olho aqui e acolá, nos debates, nos programas e nos cartazes, e confesso que o resultado final é alguma tristeza pela forma como se vais falando uns dos outros, nos diferentes suportes.

Campanha que reside os seus argumentos na base da ofensa, da caricatura barata, do argumento sem conteúdo.

Esperava eu, e de certo a restante população, uma campanha inteligente onde pudéssemos ouvir argumentos com substância, … ideia e propostas que de facto fossem isso mesmo, propostas para fazer mais e melhor, mas aquilo que se vê é totalmente o contrario.

Temos quem faça propostas de que vai fazer isto e aquilo de forma irrealista e injustificada, sem conseguirem na realidade explicar como pensam fazer o que dizem.


Por Ana Paula Fitas | Sexta-feira, 25 Setembro , 2009, 23:50

Houve um tempo, depois de Abril, em que o voto era pensado apenas como arma de protesto... Hoje, mantendo essa dimensão reactiva de expressão contestatária, o voto é, acima de tudo, a manifestação afirmativa das nossas escolhas... e as escolhas, caros Amigos e Leitores, não se resumem  nem podem resumir-se à negação do que rejeitamos, sob pena de ganharmos o que, também, não queremos... porque o contrário de uma coisa não é apenas o seu reverso mas, isso sim, uma variada panóplia de possibilidades, assemelhadas por certo mas, distintas... e, estou certa!, há muita coisa que não desejamos... Não podemos, por isso, trocar a preciosidade de um voto num simples "Não!" dirigido a "isto" ou "aquilo"... porque o voto configura um tempo de vida de 4 anos, demasiado tempo para poder ser perdido entre regressos ao passado ou discussões inférteis entre oposições - que, definitivamente, se não podem entender e cuja aspiração ao exercício do poder se esgota na vaidade de com mais frequência se verem ao espelho da comunicação social... o voto é, se em nós reside a grandeza humana de transcendermos os nossos pequenos interesses e as nossas pequenas contrariedades, a manifestação imensa da nossa universal humanidade porque, com ele, damos voz ao interesse colectivo e ao bem-comum... Por todos nós, integrados e excluídos, mais pobres e menos pobres, homens e mulheres, crianças e idosos, rurais e urbanos, é urgente responder à chamada da nossa comum capacidade decisória para, com altruísmo e confiança, participarmos na construção do presente possível, a pensar num futuro melhor!... Sejamos realistas, sejamos justos, sejamos bons... por um país melhor, para todos!... é este o voto sentido e fraterno que hoje aqui faço, com humildade cívica e o sentido da responsabilidade de uma cidadã consciente que em cada pessoa vê toda a Humanidade...  Não mataremos a esperança de um país livre, democrático e fraterno, de um país que recusa o cinzentismo triste e obcecado do lucro, de um país vivo, a lutar por si próprio, sensato e solidário, empenhado num mundo melhor, com mais emprego, menos pobreza e sem guerras inúteis! Viva a Vida! Viva a Liberdade! Viva Portugal! Até amanhã...

(Este post tem publicação simultânea no A Nossa Candeia e no Público-Eleições 2009)


Por GWOM | Sexta-feira, 25 Setembro , 2009, 23:46

Votarei consciente que a intervenção do Estado tem razão de ser para corrigir as desigualdades e fomentar a riqueza, quando tal seja necessário.

 

Votarei consciente que os operadores querem estabilidade, e não ruptura, para encararem com optimismo a retoma económica.

 

Votarei consciente que as gerações futuras pedem às passadas energia e acção, no pressuposto que haja partilha de custos e de benefícios.

 

Votarei consciente numa política fiscal responsável que passe pela não degradação indiscriminada da receita, pela percepção do mercado e pela escolha do tipo de financiamento mais adequado.

 

Votarei consciente que todos os problemas encarados terão tratamento próprio e adequado, sem dilações, adiamentos ou confusões.

 

Votarei consciente que a melhor forma de dizer a verdade passa pelo reconhecimento dos próprios erros, numa lógica de auto-responsabilização própria do método da tentativa e do erro.

 

Votarei consciente que não há salvadores, mas sim empreendedores.

 

No Domingo votarei PS. Simplex e claro...


Por João Pinto e Castro | Sexta-feira, 25 Setembro , 2009, 23:44

Há quatro anos, eu não sabia muito bem o que esperar do primeiro-ministro José Sócrates. Agora, acho que o resultado foi muito melhor do que tinhamos direito a esperar, sobretudo dadas as circunstâncias extremamente difíceis da governação, agravadas desde o Verão de 2007 pela avassaladora crise internacional.

Mais, considero que tivemos o melhor governo em 35 anos de democracia.

Também a presente campanha foi uma das melhores e mais entusiásticas de sempre. Poucas vezes, como agora, se discutiram tanto os programas dos partidos, a poucos sobrando dúvidas acerca do muito que distingue uns dos outros. Os debates foram tão esclarecedores como o podem ser nestas circunstâncias. Os eleitores interessaram-se e estão mobilizados para votar.

Neste domingo, não somos apenas chamados a votar num rumo para o governo do país. Está também em causa saber o que pensamos sobre a tentativa de degradação do debate democrático que o PSD sistematicamente protagonizou nesta legislatura.

No dia 27 de Setembro, é indispensável que o voto popular traduza uma clara condenação da política suja que emporcalha a vida pública e boicota o debate racional e civilizado.

Vocês sabem o que está em jogo.

 

 


Por Eduardo Graça | Sexta-feira, 25 Setembro , 2009, 23:41

 

Todos sabemos que as sondagens não votam. Mas existem. Encorajam uns e desencorajam outros. Criam expectativas e conformam decisões. Não vale a pena esconjurá-las quando os seus resultados nos são desfavoráveis, nem endeusá-las quando nos favorecem. Valem o que valem. E quer-me parecer que valem bastante. É este o quadro síntese das mais recentes sondagens realizadas a propósito das eleições legislativas de domingo. E este um dos mais importantes espaços de reflexão acerca das mesmas. Para mais tarde comparar.
tags:

Protocolos
comentários recentes
Ainda bem que procurei por ti na internet em geral...
A discussão sobre pagar a saúde de acordo com os r...
Espero que o José Sócrates faça um bom trabalho..
Boa tarde, gostava da vossa opinião.hoje dirigi-me...
EsclarecimentoA notícia é apenas sobre uma propost...
Venho por este meio relatar-vos uma situação que c...
Sou nova nestas andanças, da net (não em anos-57) ...
Obrigada pelos textos que nos deram a ler, a refle...
Estou de acordo com a ideia lançado por vocês impo...
Simplex , simplesmente. convido-os a visitarem o m...
já agora gostaria que observem uma iniciativa empr...
Estava a gostar deste blog...
Uma escrita muito pobre, na generalidade dos casos...
Estou numa dúvida: a oposição não foi eleita para ...
Posts mais comentados
88 comentários
50 comentários
44 comentários
43 comentários
38 comentários
36 comentários
27 comentários
25 comentários
arquivos
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds

As imagens criadas pelo autor João Coisas apenas poderão ser utilizadas em blogues sem objectivo comercial, e desde que citada a respectiva origem.